Domingo, 24 Outubro 2021 | Login
WhatsApp, Instagram e Facebook apresentam falhas, relatam usuários

WhatsApp, Instagram e Facebook apresentam falhas, relatam usuários


Usuários do WhatsApp, Facebook e Instagram relataram que estão enfrentando falhas no envio de mensagens e no carregamento de postagens das redes sociais na tarde desta segunda-feira.

O assunto já é o mais comentados do Twitter no Brasil, com mais de 500 mil postagens. Muitos internautas relatam que fizeram testes com suas conexões de internet antes de perceberem que o problema era das plataformas.

As plataformas já apresentaram instabilidade em outros momentos neste ano. Em agosto, por exemplo, o Facebook apresentou uma falha na ferramenta de pesquisa do site. Em junho, também houve um problema simultâneo no WhatsApp, Facebook e Instagram.


A assessoria da empresa no Brasil, que informou que está investigando a situação.

Itens relacionados (por tag)

  • Microsoft encerrará operações do LinkedIn na China

    O LinkedIn, da Microsoft, anunciou nesta quinta-feira que fechará a versão de seu site de relacionamento profissional que opera na China, marcando o fim da última grande rede de mídia social norte-americana operando abertamente no país. Em comunicado, o LinkedIn disse que tomou a decisão depois de "enfrentar um ambiente operacional significativamente mais desafiador e maiores requisitos de conformidade na China".

    Em março, o regulador da Internet da China ordenou os funcionários do LinkedIn a regulamentarem melhor seu conteúdo e deu-lhes 30 dias para fazê-lo, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Nos últimos meses, o LinkedIn notificou vários ativistas de direitos humanos com foco na China, acadêmicos e jornalistas que seus perfis estavam sendo bloqueados na China, dizendo que continham conteúdo proibido.

    O LinkedIn disse que substituirá seu serviço chinês, que restringe parte do conteúdo para atender às demandas do governo local, por um serviço de site de emprego sem recursos de mídia social, como a capacidade de compartilhar opiniões e notícias.

  • Conheça os principais golpes no Instagram e como se proteger

    Uma das redes sociais mais utilizadas no mundo, o Instagram, até por isso, também é uma plataforma cheia de gente querendo se dar bem burlando as leis. São diversas modalidades de golpes possíveis. A ESET, empresa de segurança da informação, listou alguns dos principais golpes e como se prevenir deles. Confira:

    Phishing - É um tipo de golpe cujo objetivo é enganar o usuário para roubar suas informações pessoais e credenciais de acesso. Essas informações são usadas por cibercriminosos em várias atividades ilegais, como roubo de identidade ou venda em mercados clandestinos na dark web. As estratégias mais comuns usadas em ataques de phishing incluem provocar um senso de urgência, enviando e-mails fraudulentos alegando que alguém sem autorização pode ter se conectado a uma conta.
    “Para evitar ser vítima de phishing, a ESET aconselha prestar atenção a certos elementos que muitas vezes dão uma pista de que pode ser uma mensagem falsa, como erros gramaticais ou o uso de saudações genéricas em vez de personalizadas. Outro item a considerar é o endereço de e-mail do remetente. Se não estiver relacionado a um endereço de e-mail oficial, provavelmente é um golpe”, comenta Camilo Gutiérrez Amaya, chefe do laboratório de Pesquisa da ESET América Latina.

    Ataque de contas clonadas - É provável que, ao pesquisar no Instagram a conta de alguma pessoa ou empresa famosa, você encontre várias contas que se passam por oficiais, mas não são. É importante ter em mente que os ataques que buscam clonar contas do Instagram não se limitam apenas a atores, cantores, empresas ou atletas populares. Os cibercriminosos também podem clonar contas de qualquer usuário. Eles então se passam por essas pessoas e tentam se comunicar com seus amigos e/ou seguidores. “A maneira mais rápida de verificar se você foi contatado por uma conta clonada é entrar em contato com essa pessoa por um método alternativo, como uma ligação telefônica. Para manter suas próprias contas seguras, é recomendado definir seu perfil como privado, bem como definir certos limites para quem você permite te seguir”, adiciona Amaya.

    Golpe da conta verificada - Se você vir uma marca de seleção azul ao lado do nome de uma conta, seja uma celebridade, um influenciador ou uma marca, significa que ela está autenticada. “Basicamente, a verificação é a maneira que as pessoas usam para garantir que as contas em destaque que estão seguindo ou procurando são quem afirmam ser. É uma forma de saber quais contas são autênticas e notáveis”, diz a descrição do Instagram sobre seu processo de verificação.
    Ser verificado também significa, basicamente, que você tem um grande público e que tem alguma influência na comunidade. Isso também abre as portas para várias oportunidades de acordos de patrocínio com marcas. A conveniência dessa cobiçada marca de verificação é exatamente o que os golpistas estão apostando. O golpe é simples: entram em contato com o usuário, geralmente por mensagem direta, oferecendo a verificação por uma taxa. No entanto, se você pagar, a única coisa que será verificada é o fato de que você foi vítima de um golpe.

    Golpes românticos - Embora a maioria das pessoas associe os ”golpes românticos” a aplicativos de namoro online, esses tipos de golpes também podem ocorrer em plataformas como o Instagram. Para realizá-lo, o golpista tenta, durante muito tempo, conquistar a confiança de suas potenciais vítimas. Esse relacionamento provavelmente começa quando o invasor gosta das postagens da vítima, comenta nelas e, finalmente, envia uma mensagem direta. Uma vez que o golpista acredita que ganhou a confiança de sua vítima, ele começa a pedir dinheiro, usando como desculpa uma emergência médica ou a necessidade de assistência financeira para financiar um voo que permita que eles se vejam pessoalmente.

    Vendedores duvidosos - Além de permitir que os usuários sigam conhecidos, celebridades e influenciadores para visualizar seu conteúdo, o Instagram também permite que as marcas anunciem seus produtos e até funcionem como uma loja. No entanto, alguns anúncios podem se tornar golpes, por isso é importante estar atento. Se você nunca ouviu falar da marca ou do fornecedor, embora isso não signifique necessariamente que esteja lidando com uma fraude, deve ser um motivo para pesquisar um pouco mais sobre a empresa.
    A ESET recomenda realizar uma pesquisa no Google, procurando avaliações sobre os fornecedores e os produtos que eles oferecem e ver se surge algo que levante suspeitas. É altamente improvável que você encontre algo diretamente em seu site, pois eles podem moderar os comentários. Também é recomendável que você esteja atento para comentários falsos. Muitas vezes, eles estão repletos de erros ortográficos e provavelmente descreverão a empresa e seus produtos com termos superlativos.

  • STJ decide que divulgação de conversas de WhatsApp sem consentimento gera dever de indenizar

    A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por unanimidade, que divulgar conversas de Whatsapp sem o consentimento dos participantes ou autorização judicial gera o dever de indenizar sempre que for constatado dano.

    O entendimento foi alcançado no julgamento do recurso de um homem que fez captura de tela de conversa de um grupo do qual participava no WhatsApp e divulgou as imagens. Ele já havia sido condenado nas instâncias inferiores a pagar R$ 5 mil para um dos participantes que se sentiu ofendido.

    O caso ocorreu em 2015 e envolve um ex-diretor do Coritiba. Na época, o vazamento provocou uma crise interna ao divulgar conversas com críticas à então administração do clube de futebol. Para tentar reverter o dever de indenizar no STJ, ele argumentou que o conteúdo das mensagens era de interesse público, e que não seria ilegal registrá-las.

    Votos
    Relatora do caso, a ministra Nancy Andrighi concordou que o simples registro de uma conversa por um dos participantes, seja por meio de uma gravação ou de um print screen (termo inglês para captura de tela), não constitui, em si, um ato ilícito, mesmo que outros participantes do diálogo não tenham conhecimento. O problema encontra-se na divulgação de tais registros, frisou a magistrada.

    Isso porque as conversas via aplicativos de mensagem estão protegidas pelo sigilo das comunicações, destacou a ministra. “Em consequência, terceiros somente podem ter acesso às conversas de WhatsApp mediante consentimento dos participantes ou autorização judicial”, afirmou.

    A relatora disse em seu voto que “ao enviar mensagem a determinado ou a determinados destinatários via WhatsApp, o emissor tem a expectativa de que ela não será lida por terceiros, quanto menos divulgada ao público, seja por meio de rede social ou da mídia”.

    “Assim, ao levar a conhecimento público conversa privada, além da quebra da confidencialidade, estará configurada a violação à legítima expectativa, bem como à privacidade e à intimidade do emissor, sendo possível a responsabilização daquele que procedeu à divulgação se configurado o dano”, afirmou a ministra.

    Ela foi acompanhada integralmente pelos outros quatro ministros da Terceira Turma – Paulo de Tarso Sanseverino, Ricardo Villas Bôas Cueva, Marco Aurélio Bellizze e Moura Ribeiro.

    A única exceção, nesses casos, é quando a exposição das mensagens visa resguardar um direito próprio de um dos participantes da conversa, num exercício de autodefesa, decidiram os ministros do STJ. Tal análise, no entanto, deverá ser feita caso a caso pelo juiz. No caso julgado pela Terceira Turma, foi mantida a condenação à indenização.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.