Sábado, 15 Junho 2024 | Login
Principal central sindical da Argentina convoca greve geral em janeiro

Principal central sindical da Argentina convoca greve geral em janeiro

O mais importante grupo sindical da Argentina convocou nesta quinta-feira (28) greve geral para o dia 24 de janeiro, com uma manifestação no Congresso Nacional argentino em repúdio a uma série de medidas promovidas pelo governo do presidente ultraliberal Javier Milei.

A Confederação Geral do Trabalho (CGT), que reúne diversos sindicatos do país sul-americano, divulgou em comunicado um “plano de luta” que inclui também apresentação judicial contra um decreto anunciado na semana passada por Milei e um projeto de lei enviado na quarta-feira ao Congresso para discuti-lo em sessões extraordinárias antes de 31 de janeiro.

A CGT também prevê solicitar reuniões com todos os blocos de deputados e senadores e reuniões com outras confederações trabalhistas para articular mais medidas.

As iniciativas do governo, que no caso do decreto podem ser revogadas pelo Congresso e no caso do projeto de lei devem ser aprovadas por deputados e senadores, incluem a eliminação de regras trabalhistas, a privatização de empresas estatais e a modificação do Código Civil e Comercial.

O projeto de lei apresentado na quarta-feira inclui ainda a declaração da emergência econômica e a delegação de parte dos poderes legislativos ao Executivo até o final de 2025, com a opção de prorrogação por mais dois anos.

O presidente libertário diz que pretende reduzir o Estado e eliminar o déficit fiscal para que a economia volte a crescer, mas milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra as medidas desde que ele as anunciou.

Itens relacionados (por tag)

  • Dono do Instagram e Facebook, Mark Zuckerberg vai criar gado

    O CEO da Meta, Mark Zuckerberg, anunciou nesta terça-feira, 09, que está começando a criar gado em sua fazenda no Havaí. O bilionário disse que o objetivo é produzir carne de qualidade. “Meu objetivo é criar uma das carnes de mais alta qualidade do mundo”, escreveu na publicação.

    Zuckerberg disse que o gado será alimentado com farinha de macadâmia e cerveja. A fazenda de Zuckerberg fica na ilha de Kauai, no Havaí. Ela tem uma área de 1.500 acres, o equivalente a cerca de 600 hectares.

    O empresário disse que suas filhas, Max e August, estão ajudando no cultivo das árvores de macadâmia e no cuidado com os animais. Alguns usuários elogiaram o bilionário por seu interesse em produzir carne de alta qualidade. Outros, no entanto, criticaram a dieta de macadâmia e cerveja para o gado, argumentando que ela pode ser prejudicial à saúde dos animais.

  • Oscar Pistorius é libertado 11 anos após assassinato da namorada

    O ex-astro paralímpico sul-africano Oscar Pistorius foi libertado sob condicional nesta sexta-feira (5), quase 11 anos depois de assassinar sua namorada em um crime que chocou uma nação há muito acostumada com a violência contra as mulheres.

    Pistorius –apelidado de "Blade Runner" por suas pernas protéticas de fibra de carbono– atirou e matou a modelo Reeva Steenkamp, de 29 anos, através de uma porta de banheiro trancada no Dia dos Namorados de 2013.

    Ele repetidamente afirmou que confundiu Steenkamp com um intruso quando disparou quatro tiros no banheiro de sua casa em Pretória, e lançou múltiplos recursos contra sua condenação com base nesse argumento.

    "O Departamento de Serviços Correcionais pode confirmar que Oscar Pistorius é um liberado condicional, efetivamente a partir de 5 de janeiro de 2024. Ele foi admitido no sistema de Correções Comunitárias e agora está em casa", disse o departamento de prisões do país em um comunicado.

    Em um comunicado divulgado pelo advogado da família Steenkam, a mãe de Reeva, June, disse: "Nunca poderá haver justiça se o seu ente querido nunca mais voltar, e nenhum tempo de prisão trará Reeva de volta".

    "Nós, que ficamos para trás, somos os que cumprimos pena de prisão perpétua", disse June Steenkamp, acrescentando que o seu único desejo era poder viver em paz após Pistorius ter sido colocado em liberdade condicional.

    Pistorius, agora com 37 anos, passou cerca de oito anos e meio na prisão, além de sete meses em prisão domiciliar antes de ser condenado por assassinato. Um conselho de liberdade condicional decidiu em novembro que ele poderia ser libertado após cumprir mais da metade de sua sentença.

    Um oficial de monitoramento irá vigiá-lo até o término de sua sentença em dezembro de 2029, e Pistorius terá que informar se busca oportunidades de emprego ou muda de endereço.

    Ele também é obrigado a continuar a terapia de controle de raiva e participar de sessões sobre violência de gênero como parte de suas condições de liberdade condicional, disse a família Steenkamp.

    June Steenkamp disse que as condições impostas pelo conselho de liberdade condicional confirmaram sua crença no sistema de Justiça sul-africano, pois enviam uma mensagem clara de que a violência de gênero é levada a sério.

    Mas uma organização local de defesa dos direitos das mulheres disse que o caso Pistorius mostra que há falta de responsabilização dos perpetradores e justiça inadequada para as vítimas da violência no país.

    "Estamos falando sobre a vida de alguém que foi tirada... O fato de alguém poder sair em liberdade oito anos depois nos diz que não é grande coisa", disse à Reuters a porta-voz do Women For Change, Bulelwa Adonis.

    Adonis disse que, em média, 12 mulheres são assassinadas na África do Sul todos os dias.

    Enquanto alguns sul-africanos consideram a punição de Pistorius branda, outros acham que ele cumpriu a pena.

    "Deixem o homem ir para casa, ele cumpriu a sua pena, e lembrem-se, trata-se também de ser reintegrado na sociedade", disse Kefentse Botolo, 42, morador de Pretória.

    A mídia local espera que Pistorius more na casa de seu tio Arnold, em um subúrbio rico de Pretória, onde uma multidão de repórteres se reuniu em frente ao portão na sexta-feira.

    Seu advogado não respondeu imediatamente às mensagens ou telefonemas solicitando comentários.

    Pistorius já foi o queridinho do mundo dos esportes e uma voz pioneira para atletas com deficiência, pelos quais fez campanha para poder competir entre os atletas sem deficiência em grandes eventos esportivos.

    Em agosto de 2012, meses antes de atirar em sua namorada, Pistorius se tornou o primeiro duplo amputado a competir nas Olimpíadas de Londres, onde chegou às semifinais dos 400 metros.

    Ele ganhou duas medalhas de ouro nas Paraolimpíadas.

    Ele foi preso pela primeira vez por cinco anos em outubro de 2014, condenado por homicídio culposo. Depois de os seus procuradores recorrerem dessa decisão, o Supremo Tribunal de Recurso considerou-o culpado de homicídio em dezembro de 2015.

    Mas ele só pegou seis anos quando foi condenado em julho de 2016, apesar de os procuradores defenderem uma pena mínima de 15 anos.

    Depois, em novembro de 2017, o Supremo Tribunal de Recurso mais do que duplicou a sua sentença para 13 anos e cinco meses, descrevendo a sua pena anterior como "chocantemente branda".

    Pistorius conheceu o pai de Reeva, Barry Steenkamp, em 2022, num "diálogo vítima-infrator", parte integrante do sistema de justiça restaurativa da África do Sul.

    Baseada, em parte, na forma como as culturas lidaram com o crime muito antes de os europeus colonizarem a África do Sul, a justiça restaurativa visa encontrar um encerramento para as partes afetadas num crime, em vez de meramente punir os perpetradores.

  • Fim da greve: sindicato dos atores de Hollywood e estúdios chegam a acordo após 118 dias

    O sindicato dos atores de Hollywood (SAG-AFTRA) e a AMTP, a aliança dos estúdios e produtores, chegaram a um acordo provisório que deu fim à greve da categoria. A paralisação já durava 118 dias, a mais longa da história.

    Em pronunciamento à imprensa americana na noite desta quarta-feira, 8, o sindicato anunciou que os líderes aprovaram de forma unânime a proposta da AMTP. Com isso, a paralisação está encerrada a partir de 00h01 desta quinta-feira, 9 de novembro, no horário local (5h em Brasília).

    O acordo será enviado para o conselho nacional do sindicato na sexta-feira, 10, para votação. Os detalhes da negociação devem ser revelados ao público após a aprovação final. No entanto, a revista Variety diz que o acordo prevê aumento de 7% no salário dos artistas, além de proteção legal contra o uso da inteligência artificial.

    "Esse acordo provisório representa um novo paradigma. Ele dá ao SAG-AFTRA os maiores ganhos de contrato sobre contrato na história do sindicato, incluindo o maior aumento no salário mínimo nos últimos quarenta anos; um novo resíduo para programas de streaming; extensas proteções de consentimento e compensação no uso de inteligência artificial; e aumentos consideráveis de contrato em itens em toda a linha", disse a Alliance of Motion Picture and Television Producers em um comunicado na noite de quarta-feira. A organização, que negocia em nome dos principais estúdios e empresas de streaming, disse que "espera que o setor retome o trabalho de contar grandes histórias".

    Executivos das principais empresas de entretenimento, incluindo Disney, Netflix, Warner Bros. Discovery e Universal, participaram diretamente das negociações.

    O fim da greve dos atores acontece cerca de 50 dias após o término da greve dos roteiristas de Hollywood, que durou cinco meses. As duas significaram a maior paralisação que já afetou os grandes estúdios em toda a história e ficaram marcadas pela luta pelo aumento salarial e proteção contra IA.

    Mais de 60 mil membros da Screen Actors Guild-American Federation of Television and Radio Performers participaram da greve que iniciou dia 14 de julho, juntando-se aos roteiristas que haviam abandonado o trabalho mais de dois meses antes. Foi a primeira vez que os dois sindicatos entraram em greve juntos desde 1960. Os estúdios optaram por negociar primeiro com os roteiristas, chegando a um acordo que seus líderes consideraram uma grande vitória e encerrando a greve em 26 de setembro.

    O Writers Guild of America aplaudiu o acordo de quarta-feira. "Estamos entusiasmados em ver os membros do SAG-AFTRA ganharem um contrato que cria novas proteções para os artistas e lhes dá uma parcela maior do imenso valor que eles criam", disse o sindicato em um comunicado. "Quando os trabalhadores estão unidos, eles vencem!"

    O impacto da greve no mercado cinematográfico

    Embora a greve dos roteiristas tenha tido efeitos imediatos e visíveis para os telespectadores, incluindo a suspensão por meses dos programas de entrevistas noturnos e do Saturday Night Live, o impacto da ausência dos atores não foi tão imediatamente aparente. Mas seus efeitos em cascata, de datas de lançamento atrasadas a espera por novas temporadas de programas, podem ser sentidos por meses ou até anos.

    Os atores devem retornar rapidamente aos sets de filmagem onde as produções foram interrompidas, incluindo Deadpool 3, Gladiator 2 e Wicked. Outros filmes e programas reiniciarão as filmagens assim que os escritores que retornarem terminarem os roteiros.

    E além das produções com roteiro, o fim da greve permite que os atores voltem aos tapetes vermelhos, talk shows e podcasts, à medida que a temporada de premiações de Hollywood se aproxima.

    O único grande evento de premiação diretamente afetado pela greve foi o Emmy, que foi transferido de setembro para janeiro. Agora, as campanhas habituais de outono do Oscar se mobilizarão.

    Mas qualquer sensação de normalidade no setor pode ser temporária. As circunstâncias que provocaram as greves - a mudança da mídia teatral e de transmissão tradicional para o streaming e a tecnologia emergente, como a IA - não foram abrandadas. E as conquistas obtidas com as greves podem encorajar outros sindicatos de Hollywood ou essas mesmas corporações em negociações que ocorrerão novamente em poucos anos.

    Os líderes sindicais trataram a greve como um momento decisivo desde o início, pois ela ocorreu em meio a lutas trabalhistas mais amplas em outros setores.

    "Acho que agora se trata de uma conversa sobre a cultura das grandes empresas e como elas tratam todos, de cima a baixo, em nome do lucro", disse a presidente do SAG-AFTRA e estrela de The Nanny, Fran Drescher, à Associated Press em uma entrevista em agosto.

    Duncan Crabtree-Ireland, o diretor-executivo e negociador-chefe que liderou a equipe que fechou o acordo para o sindicato, disse à AP em agosto que estava "honrado por fazer parte da garantia de que nossos membros conseguissem um contrato justo que os protegeria no futuro e garantiria que os jovens de 14 anos com quem conversei na manifestação da Disney ainda pudessem ser atores quando completassem 18 anos".

    O acordo também significa um retorno aos sets de filmagem para milhares de membros da equipe de filmagem que ficaram sem nada para trabalhar durante as greves. O SAG-AFTRA procurou compensar essas dificuldades permitindo que acordos provisórios, às vezes controversos, para algumas produções menores prosseguissem e disponibilizando seu fundo de auxílio à greve para todos os trabalhadores do setor.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.