Segunda, 16 Maio 2022 | Login
Baianos encaram até 5h em fila para fazer teste de covid-19

Baianos encaram até 5h em fila para fazer teste de covid-19

A procura por testes de detecção de covid-19 em Salvador é tanta que está até alterando o trânsito nas ruas. A espera nas filas de carros nos laboratórios chega a até 5 horas. Na Pituba, por exemplo, equipes da Transalvador precisaram ser acionadas para organizar o trânsito na Rua Ceará e na Avenida Manoel Dias para os laboratórios DNA e Jaime Cerqueira, respectivamente. Quem procura os testes nas farmácias diz ter dificuldades, assim como para agendar a testagem. Com isso, a alternativa é buscar o drive thru por ordem de chegada e enfrentar fila.

O petroquímico Fábio Nunes, de 43 anos, esperou tanto nesta quinta (20) pela testagem no Laboratório DNA, na Paulo VI, que deu tempo de tomar três tigeladas de açaí, que substituíram o almoço. Ele chegou por volta das 10h e, somente às 15h era o próximo a ser atendido. O final da fila alcançava a Rua Ceará. “A fila nem estava tão grande assim quando eu cheguei, mas a demora está absurda. Eu não entendo isso, porque a duração do teste em si é rápida”, disse.

Fábio já tinha testado positivo e, agora, precisava de um teste negativo para poder voltar ao trabalho. “Quando eu vim pela primeira vez fazer o teste, passei umas 4 horas na fila. Aí deu positivo. Agora é essa agonia de novo para poder comprovar que já estou negativado e voltar a trabalhar".

Na Avenida Manoel Dias, a fila da clínica Eco e do Laboratório Jaime Cerqueira se confundiam e chegava até a Igreja Nossa Senhora da Luz durante a manhã. À tarde, até o cruzamento com a Rua Pernambuco. O Jaime Cerqueira dividiu os atendimentos. Na frente, clientes particulares e, pelos fundos, pacientes com requisição do plano de saúde. Às 16h, a próxima pessoa da fila esperava desde às 12h.

A psicóloga Luana Araújo, de 24 anos, foi fazer o teste pela manhã. Ela chegou por volta das 10h30 e saiu 13h. O plano inicial era fazer o teste no Jaime Cerqueira, mas, com a confusão no trânsito, acabou fazendo na Clínica Eco. “Era uma fila só e, lá na frente eles dividiam. Quando cheguei na frente da Eco, só tinha um carro na fila, sendo que a fila do Jaime ainda estava enorme. Aí fiz ali mesmo”, contou. O resultado sai em 24 horas.

Ela está com tosse, mal estar, nariz entupido e espirros, por isso, decidiu fazer o teste. “Os laboratórios não estão mais agendando, só se for para atendimento domiciliar. Mas aí eu tentei essa modalidade e só tinha para a próxima segunda. Então resolvi enfrentar as filas por ordem de chegada”, explicou.

Segundo a Transalvador, o órgão tem intensificado, desde a última semana, o monitoramento e ordenamento das filas que se formam nos entornos de laboratórios da cidade, especialmente na Av. Manoel Dias da Silva e na Av. Paulo VI. “O órgão de trânsito tem adotado medidas cabíveis, como acostar e sinalizar as filas, para garantir a fluidez do tráfego de veículos nas principais faixas das vias”, diz o comunicado.

“Na manhã de quinta-feira (20), a Transalvador realizou uma visita técnica nestes locais para avaliar outras possíveis soluções. Ao mesmo tempo, a autarquia municipal tem exigido dos laboratórios a contratação de monitores para organizar as filas”, completa a nota.

As filas atraíram o artista plástico e produtor cultural Adilson Guedes, de 55 anos, conhecido por carregar uma escultura grande em formato de seringa nas filas de vacinação. Ao invés das filas de vacinação, ele fica agora nas filas dos testes.

“O artista está onde o povo está. Antes eu ficava nas filas de vacinação, que diminuíram. Agora as filas da vez são as dos testes. Estou por aqui pela Manoel Dias porque é onde tem mais movimento. Chego às 8h, paro um pouco quando o sol está mais forte e depois volto. Essa é minha forma de levar alegria para as pessoas e também minha forma de sustento atualmente”, contou.

A alta procura acontece no momento de subida dos casos ativos na Bahia. Segundo especialistas, isso se deve à alta taxa de transmissão da variante Ômicron, que já é responsável pela maioria das infecções. Nesta quarta (19), a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) divulgou que a taxa de positividade dos testes PT-PCR para covid-19 analisados pelo Lacen-BA chegaram a 51,29%. Isso significa que, a cada 100 testes feitos no estado, 51 dão positivo. Para efeito de comparação, a taxa de positividade há duas semanas, no dia 4 de janeiro, era de 5,49%. Com isso, o aumento da taxa foi de 683% nos últimos 19 dias.

A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) fez um alerta para a possibilidade de falta de testes de antígeno e PCR (o molecular, tipo mais preciso), se estoques de insumos necessários para os exames para o diagnóstico da covid-19 não forem repostos "rapidamente". A Abramed diz não saber até quando os laboratórios conseguirão atender a demanda por testes e recomendou que aos seus associados que pararem de testar casos leves da doença.

A falta ou escassez de insumos já é realidade em alguns laboratórios. A estudante Jade Leal, de 22 anos, disse que procurou sete laboratórios e duas farmácias em busca de teste, sem sucesso. Por conta das longas filas, ela preferiu a testagem domiciliar. “Eu não dirijo, então eu ia colocar em risco meu pai ou minha mãe”.

“Eu entrei em contato com sete laboratórios e não conseguia agendar, às vezes só tinha para daqui a cinco dias e um deles não me respondeu até hoje. No Labchecap o teste estava até suspenso por falta de material. Foi um caos! Isso era pelo plano, então eu decidi buscar as farmácias de forma particular. Era surreal porque você ligava disposta a pagar e eles simplesmente não tinham teste”, disse. “Depois de muito consegui uma coleta em domicílio pelo Spalazanni, mas mesmo assim porque houve uma desistência e a atendente me encaixou”, completou.

Procurados, os laboratórios DNA e Jaime Cerqueira não responderam o contato até o fechamento da reportagem. O CORREIO não conseguiu contato com o Laboratório Labchecap.

Quais são os tipos de teste?

Os testes PCR são considerados os mais eficazes para o diagnóstico do vírus. Deve ser feito durante a primeira semana de sintomas, sendo indicado a partir do terceiro dia. O material é colhido com swab por raspagem do nariz ou garganta para encontrar a presença do material genético (RNA) do vírus. O resultado fica pronto entre 24 e 48 horas.

Os testes de sorologia por sua vez identificam a presença de anticorpos IgM, IgA e/ou IgG no sangue. Ele deve ser feito no mínimo 10 dias após o início dos sintomas uma vez que anticorpos surgem apenas após um tempo mínimo de exposição ao vírus. É eficaz para determinar se a pessoa entrou em contato com o vírus anteriormente ou em período recente. Caso seja realizado fora do período indicado ou os sintomas apresentados sejam leves ou sem sintomas, é possível ter um resultado negativado.

Os testes rápidos utilizam coleta oral, nasal ou de amostra do sangue. Deve ser feito durante a primeira semana de sintomas e ambos oferecem resultados em até 30 minutos. Porém seu método é simplificado e não oferece a mesma precisão dos PCRs, sendo propensos a resultados falso negativo e falso positivo.

Nos Estados Unidos e em países da Europa, por exemplo, a população pode comprar ou conseguir gratuitamente testes de covid-19 para serem feitos em casa. Enquanto isso, no Brasil, a testagem continua centrada em clínicas, laboratórios, farmácias e postos de saúde. Isso porque o chamado autoteste não é autorizado no Brasil por causa de uma resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de 2015.

O Ministério da Saúde concluiu que o autoteste para diagnóstico de covid-19 pode ser uma “importante ferramenta de apoio” na contenção do vírus e pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que avalie o tema. A reunião para avaliação aconteceria nesta quarta (19), mas foi adiada. O placar da votação foi de quatro votos contrários à liberação com as informações atuais contra um voto a favor da liberação imediata.A Anvisa alega que falta uma política pública para os autotestes e deu um prazo de 15 dias para que o Ministério da Saúde apresente mais informações.

Como conseguir teste pelo plano de saúde?

Nesta quarta (19) a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou que o teste rápido de antígenos para detecção da covid-19 passa a ter cobertura obrigatória dos planos de saúde. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta (20) e tem validade imediata. A inclusão do exame no rol de procedimentos obrigatórios levou sete meses de discussão porque enfrentou resistência das operadoras de saúde. O teste de antígeno é aquele em que o coronavírus é detectado em até 15 minutos e pode ser encontrado em farmácias e laboratórios.

A justificativa da decisão é facilitar e ampliar a detecção da doença, diante da alta do número de casos ativos e da procura por testes. Além dos testes de antígeno, quem tem plano de saúde no país poderá se valer da cobertura do RT-PCR, dos testes sorológicos por pesquisa de anticorpos IGG ou anticorpos totais.

O acesso aos testes rápidos é para indivíduos com planos de saúde com segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência, que apresentem Síndrome Gripal (SG) ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), entre o 1° dia e 7° dia desde o início dos sintomas.

A Síndrome Gripal (SG) é atribuída ao paciente com quadro respiratório agudo, caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre, calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos. Em crianças: além sintomas citados, o responsável deve considerar obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico. Em idosos: deve-se considerar também critérios específicos de agravamento, como: síncope, confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade e inapetência. Na suspeita de Covid-19, a febre pode estar ausente e sintomas gastrointestinais (diarreia) podem estar presentes.

Já a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é atribuída ao paciente com Síndrome Gripal (SG), que também apresente: desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax, ou ainda saturação de oxigênio menor que 95% em ar ambiente, coloração azulada dos lábios ou rosto. Em crianças: além dos sintomas já mencionados, o responsável deve observar os batimentos de asa de nariz, cianose, tiragem intercostal, desidratação e inapetência.

Os convênios só são obrigados a pagar o exame caso haja pedido de um médico. O teste rápido incluído no rol de coberturas dos planos de saúde é feito exclusivamente em laboratórios, não estando cobertos os testes realizados em farmácias.

A Agência orienta que o beneficiário consulte a operadora do seu plano de saúde para informações sobre o local mais adequado para a realização do exame. A ANS recebe reclamações sobre falhas de atendimento pelo telefone 0800 70 19 656 ou em seu site (www.ans.gov.br).

Onde fazer teste sem precisar agendar?

Laboratório Clab:
Teste RT-PCR
Valor - R$280,00
Unidades: Barbalho, Imbuí, Cidadela e Itinga
Prazo para entrega do resultado: 1 dia útil

Teste Rápido de Antígeno
Valor - R$190,00
Unidades: Barbalho, Imbuí, Cidadela e Itinga
Prazo para entrega do resultado: em até 3 horas

Diagnoson a+:
Teste de Sorologia (IgM e IgG)
Valor – R$210,00
Unidades: Matatu, Graça, Paulo VI, Imbuí, Stella Maris, Rua Pernambuco (Pituba)
Prazo para entrega do resultado: em até 3 dias úteis

Teste de Anticorpos Neutralizantes
Valor – R$231,00
Unidades: Matatu, Graça, Paulo VI, Imbuí, Stella Maris, Rua Pernambuco (Pituba)
Prazo para entrega do resultado: em até 4 dias úteis.

Teste Rápido de Antígeno
Valor – R$ 150,00
Unidades: Rua Pernambuco (Pituba)
Prazo para entrega do resultado: em até 4 horas.

Labchecap
Teste Rápido de Antígeno
Unidades: Barra, Dom João VI, São Rafael, Federação, Rua Pernambuco (Pituba), Salvador Shopping
Valor - R$175,00
Prazo para entrega do resultado: em até 4 horas

Postos itinerantes da prefeitura
Atendimento começa às 8h e são distribuídas 200 senhas

Posto 1 - Brotas (Final de linha)

Posto 2 - São Caetano (Quadra poliesportiva de São Caetano)

Laboratório DNA
Teste RT-PCR: Valor - R$250,00
Unidades: Itapuã, Brotas, Resgate, Paulo VI, Periperi Itaigara, Caminho de Areia e Imbuí
Prazo para entrega de resultado: até 2 dias úteis

Itens relacionados (por tag)

  • Salvador tem somente 4,8% crianças vacinadas contra o sarampo

    Após mais da metade do período de campanha, em Salvador, apenas 4,8% do público-alvo para a vacinação contra o sarampo receberam o imunizante, o que corresponde a 10.144 das crianças de 6 meses a menores de 5 anos. Os baixos números acontecem em todo o estado. De acordo com a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), apenas 11,7% das crianças baianas foram imunizadas na campanha nacional que teve início no dia 4 de abril e vai até 3 de junho. A baixa adesão, somada ao surgimento de casos suspeitos da doença, vem preocupando autoridades.

    Após um surto de sarampo em 2019, a Bahia não registra casos da doença desde 2020. Mas, em 2022, até agora, já são 52 casos suspeitos. Desses, 27 foram descartados e 25 seguem em investigação. O sarampo é extremamente contagioso e chega a ser seis vezes mais transmissível que a covid-19. A doença pode levar à óbito, principalmente, crianças com menos de 5 anos. Em 2022, já há casos confirmados da doença ao menos em São Paulo e no Amapá.

    A técnica de vigilância epidemiológica da Sesab, Adriana Dourado, alerta para a queda da cobertura vacinal no estado. Segundo ela, em 2019, o percentual foi de 84,75%; em 2020, de 78,48% e, em 2021, o percentual caiu para 62,31%. Até agora, em 2022, a taxa está em 17,45%.

    “São números muito baixos, o ideal era ao menos 95%. Isso preocupa porque, com níveis baixos, a partir do momento da entrada do vírus no território, fatalmente vamos conviver com um surto”, coloca.

    A secretaria de Salvador também fez um alerta em relação à baixa cobertura vacinal contra o sarampo. Na capital, em 2019, a cobertura ficou em 71, 92%. No ano seguinte, em 68, 20%. Em 2021, uma queda acentuada para 24,11%. Com a campanha nacional em 2022, iniciada no dia 4 de abril, não somente a vacinação de crianças teve baixa adesão na capital.

    Os profissionais de saúde de até 59 anos também podem se vacinar, mas, por enquanto, apenas 23.153 deles se vacinaram, o que corresponde a 16,24%. Na Bahia, o percentual de vacinação dos profissionais de saúde na campanha está em 21,05%, representando 78.815 pessoas. Vale ressaltar que, para as crianças, a vacinação está sendo aplicada como um reforço, ou seja, mesmo aqueles que já se vacinaram devem ir aos postos novamente.

    De acordo com a coordenadora de imunização da Secretaria Municipal da Saúde, Doiane Lemos, a vacinação é a melhor forma de se proteger contra a doença. A gestora convoca pais e responsáveis a comparecerem aos postos de saúde para atualizar a situação vacinal das crianças.

    “Uma cobertura vacinal favorável é de suma importância para quebrar a cadeia de transmissão e evitar que o vírus circule em nossa cidade. Infelizmente, ainda temos uma adesão muito baixa à estratégia e isso nos preocupa ainda mais. É necessário que pais e responsáveis levem as crianças até os postos de saúde para regularizar a situação vacinal dos pequenos”, explicou.

    Os casos em investigação

    Os 25 casos de sarampo em investigação na Bahia estão distribuídos entre os municípios de Lauro de Freitas, Camaçari, Água Fria, Ipiaú, Alagoinhas, Aporá, Barreiras, Caculé, Castro Alves, Correntina, Ibotirama, Irecê, Taperoá e Vera Cruz. Segundo a Sesab, os casos estão sendo monitorados e, a partir de uma confirmação, o estado entrará em nível 1 de alerta de acordo com o Plano de Contingência do Sarampo.

    Em Vitória da Conquista, há três casos em investigação. Ao todo, já são 14 suspeitos no município, sendo 11 descartados. A vigilância epidemiológica do município emitiu um alerta para as unidades de saúde e tem reforçado a recomendação para que os profissionais de saúde e a população estejam em total alerta para qualquer caso suspeito de doença exantemática febril, relacionadas à erupções na pele.

    “Estamos aguardando o resultado dos outros três. Já fizemos o inquérito de bloqueio vacinal no território, ou seja, vacinamos as pessoas que tiveram contato com os suspeitos”, diz Ana Maria Ferraz, diretora de Vigilância em Saúde do município. O órgão atribui o aumento à retomada do convívio escolar e à baixa vacinação contra a doença. Em 2021, a cobertura vacinal contra a doença no município foi de 63,29%. Neste ano, a cobertura está em 10,71%.

    Os três casos estão em investigação em Vitória da Conquista ainda não entraram para o somatório total de 52 casos do estado feito pela Sesab. De acordo com a secretaria, os três devem ser adicionados ao sistema ainda esta semana, assim como casos de outros municípios que foram identificados durante a mobilização e busca ativa em curso.

    Em Taperoá, também há três casos em investigação com resultado de primeira amostra de sorologia reagente (positivo) para sarampo. “Para os três serão coletadas segundas amostras de sorologia para avaliar a produção de anticorpos e será processada PCR pelo Laboratório de Referência Nacional da Fiocruz, no Rio de Janeiro”, informa Adriana Dourado.

    A técnica de vigilância epidemiológica da Sesab explica os casos já descartados. “Primeiro são feitos testes de sorologia e, dando positivo, o de PCR. Tivemos alguns municípios com casos suspeitos que tiveram resultados preliminares de sorologia reagentes para sarampo. Imaginamos que são de uma reação cruzada entre vírus, ou seja, quando uma pessoa está infectada com outro vírus, como o da dengue ou da síndrome mão-pé-boca, e ele dá um falso resultado reagente ao ser cruzado com o vírus do sarampo”, diz.

    Será a volta do sarampo?

    O Brasil implantou, em 1992, o Plano Nacional de Eliminação do Sarampo e conseguiu alcançar, em 2016, o certificado da Organização Panamericana de Saúde (Opas). Mas houve retrocesso com a reinserção da doença no país em 2018. Na Bahia, foram registrados três casos de sarampo em Ilhéus em 2018 e, em 2019, houve um surto com 80 casos em 25 municípios.

    Os últimos casos de sarampo no estado foram registrados em 2020 (7 casos), assim distribuídos: Lauro de Freitas (2), Juazeiro (1), Belo Campo (1) e Paripiranga (2). Em 2021, não foram confirmados casos de sarampo no estado. Nos últimos anos, apesar do surto, de acordo com a Sesab, não foram registrados óbitos pela doença.

    O que é sarampo?

    De acordo com informações do Ministério da Saúde, o sarampo é uma doença altamente contagiosa causada pelo vírus chamado Morbillivirus, que pode ser muito perigosa, principalmente para as crianças menores de 5 anos, deixando sequelas ou causando óbito. A doença se dissemina pelo ar e a transmissão ocorre de uma pessoa para outra, por meio das secreções do nariz e da boca expelidas ao tossir, respirar, falar ou respirar.

    “É uma doença de alta transmissibilidade e alta mortalidade, principalmente entre crianças menores de 5 anos, mas também entre jovens de 20 a 29 anos. O potencial de transmissão do vírus do sarampo é de 1 para 18, ou seja, uma pessoa infectada pode infectar outras 18 pessoas. Numa comparação com a covid-19, por exemplo, a infecção é de 1 para 3”, destaca Adriana Dourado.

    Para as crianças, algumas das possíveis complicações são: pneumonia (cerca de 1 a cada 20 crianças com sarampo), otite média aguda (1 em 10 crianças com sarampo e pode resultar em perda auditiva permanente), encefalite aguda (1 em cada 1.000 crianças podem desenvolver essa complicação e 10% destas podem morrer) e morte (entre 1 e 3 a cada 1.000 crianças doentes).

    As complicações também podem ocorrer em adultos. A pneumonia é a principal delas. Outro alerta é para as gestantes: mulheres em idade fértil (10 a 49 anos) não vacinadas antes da gravidez podem apresentar parto prematuro e o bebê pode nascer com baixo peso. É importante se vacinar antes da gestação, pois a vacina é contraindicada durante a gestação.

    A única proteção eficaz contra o sarampo é a vacinação, para interromper a cadeia de transmissão do vírus e erradicar a doença. Os tipos de vacina são: Dupla viral - Protege do vírus do sarampo e da rubéola. Pode ser utilizada para o bloqueio vacinal em situação de surto; Tríplice viral - Protege do vírus do sarampo, caxumba e rubéola; Tetra viral - Protege do vírus do sarampo, caxumba, rubéola e varicela (catapora).

    Segundo a técnica de vigilância epidemiológica da Sesab, as crianças recebem a primeira dose com 1 ano e a segunda aos 15 meses. “O ideal é que as pessoas até 29 anos tenham duas doses. Dos 30 aos 59, devem ter ao menos uma dose. Quanto aos idosos, é preciso que cada caso seja avaliado por um médico”, diz. Vale ressaltar que, se a pessoa não recebeu a dose na infância, pode e deve procurar um posto de saúde. Quem já teve sarampo e não se vacinou também deve se vacinar.

    Sintomas:

    Febre acompanhada de tosse
    Irritação nos olhos
    Nariz escorrendo ou entupido
    Mal-estar intenso
    Manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo (aparecem em torno de 3 a 5 dias)

  • Entidades médicas esperam decisão da Anvisa sobre cigarro eletrônico

    Sociedades médicas brasileiras esperam que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decida ainda este ano manter proibida a importação e venda de cigarros eletrônicos no Brasil. Em 2009, a agência publicou resolução proibindo os chamados Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs), que agora passam por processo de discussão e atualização de informações técnicas.

    A Anvisa está na fase da Tomada Pública de Subsídios, aberta a receber informações técnicas a respeito dos cigarros eletrônicos. “Esperamos que até o fim do ano tenhamos essa decisão. Mas o nosso papel agora é entregar à Anvisa todas as evidências científicas comprovando os malefícios do cigarro eletrônico”, disse Ricardo Meirelles, da Associação Médica Brasileira (AMB).

    A AMB, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e entidades médicas, como a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), têm se unido em torno da proibição do comércio dos cigarros eletrônicos. Essas entidades alertaram a Anvisa sobre os prejuízos desse aparelho e têm lutado contra a informação falsa dos fabricantes, que afirmam que o cigarro eletrônico é alternativa mais saudável ao cigarro convencional.

    “Vários estudos comprovam que os Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs) causam danos à saúde. Eles podem causar irritação brônquica, inflamação em quem tem doença pulmonar obstrutiva crônica (Dpoc). Essas pessoas não podem usar o cigarro eletrônico de maneira nenhuma”, afirmou Meirelles.

    Aristóteles Alencar, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, explicou que esses aparelhos produzem partículas ultrafinas. Essas partículas conseguem ultrapassar a barreira dos alvéolos do pulmão e caem na corrente sanguínea, provocando inflamação. “Quando essa inflamação ocorre no endotélio, que é a camada que reveste internamente o vaso, pode dar início a eventos cardiovasculares agudos, como o infarto e a síndrome coronariana aguda, a angina do peito”.

    Esse tipo de cigarro, chamado de vapers pelos fabricantes, na intenção de desassociar à figura do cigarro, contém uma série de substâncias nocivas e cancerígenas. Eles trazem, em sua composição, substâncias como nicotina, propilenoglicol e glicerol, ambos irritantes crônicos; acetona, etilenoglicol, formaldeído, entre outros produtos cancerígenas e metais pesados (níquel, chumbo, cádmio, ferro, sódio e alumínio). Para atrair consumidores, são incluídos aditivos e aromatizantes como tabaco, mentol, chocolate, café e álcool.

    “O efeito protetor que se atribuía ao cigarro eletrônico não existe. Em países que liberaram esses produtos há crescente aumento de doenças cardiovasculares na população abaixo de 50 anos”, disse Alencar. “Diferente do cigarro convencional, que demora às vezes 20 ou 30 anos para manifestar doença no usuário, o cigarro eletrônico tem mostrado essa agressividade em menos tempo”, completou.

    Outra substância perigosa encontrada em muitos desses cigarros é o tetrahidrocarbinol, ou THC. “É a substância que leva à dependência do usuário da maconha”, explicou Meirelles. Segundo ele, os DEFs também podem conter óleo de haxixe e outras drogas ilícitas.

    Jovens e propaganda
    Adolescentes são alvos das fabricantes de cigarros eletrônicos. O design dos aparelhos e as essências oferecidas são pistas de que, apesar de indicarem o produto apenas a adultos, buscam chamar a atenção de jovens. A adoção de sabores mais infantis, a aplicação de cores na fumaça e até mesmo o design de alguns modelos não são atraentes ao público adulto.

    “A estratégia do sabor, por exemplo. Por mais que digam que não é um produto para criança, eu não conheço um adulto que use o sabor algodão-doce. Ele é bem caracterizado com essa ideia da juventude”, afirmou Sabrina Presman, da Associação Brasileira de Estudo de Álcool e Outras Drogas (Abead).

    Ela também cita a semelhança do aparelho com itens de uso diário de um estudante, como canetas ou pen drives. “O próprio formato do cigarro eletrônico se confunde com as coisas do jovem. Ele é mais moderno e muitos pais não conseguem identificar o que é caneta, o que é lápis e o que é cigarro”.

    Paulo César Corrêa, coordenador da comissão de tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), destacou que esses produtos são apresentados com slogans que tratam o cigarro convencional como ultrapassado e nocivo. A ideia é afastar essa má publicidade dos cigarros eletrônicos. Segundo ele, existem evidências de que há três vezes mais chances de pessoas que nunca fumaram passarem a fumar regularmente cigarros convencionais depois de usarem esses aparelhos.

    Corrêa também alertou sobre a estratégia da indústria de cigarros eletrônicos em vender uma informação de que esse tipo de produto é menos nocivo que o cigarro convencional e que, portanto, trocar para os cigarros eletrônicos seria uma alternativa mais saudável. Ele, no entanto, alerta: cigarros eletrônicos não são apenas feitos de vapor e água.

    “Ainda que não tenhamos a descrição completa dos riscos epidemiológicos, as evidências já existentes permitem dizer que o produto é extremamente perigoso e danoso à saúde individual e à saúde pública”.

    Cigarro eletrônico
    Os cigarros eletrônicos são aparelhos alimentados por bateria de lítio e um cartucho ou refil, que armazena o líquido. Esse aparelho tem um atomizador, que aquece e vaporiza a nicotina. O aparelho traz ainda um sensor, que é acionado no momento da tragada e ativa a bateria e a luz de led. Mas nem todos os cigarros eletrônicos vêm com luz de led.

    A temperatura de vaporização da resistência é de 350°C. Nos cigarros convencionais, essa temperatura chega a 850°C. Ao serem aquecidos, os DEFs liberam um vapor líquido parecido com o cigarro convencional.

    Os cigarros eletrônicos estão em sua quarta geração, onde é encontrada concentração maior de substâncias tóxicas. Existem ainda os cigarros de tabaco aquecido. São dispositivos eletrônicos para aquecer um bastão ou uma cápsula de tabaco comprimido a uma temperatura de 330°C. Dessa forma, produzem um aerossol inalável.

    “Esses aparelhos expõem o usuário a emissões tóxicas, muitas das quais causam câncer”, explicou Cláudio Maierovitch, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva.

    Outro tipo de DEF se parece com um pen drive. São os sais de nicotina (nicotina + ácido benzóico). Esse tipo de cigarro provoca menos irritação no usuário, facilitando a inalação de nicotina. E, assim, provoca maior dependência. Os usuários desse aparelho têm pouca resposta ao tratamento convencional da dependência da nicotina. “Usar um dispositivo desse com 3% a 5% de nicotina equivale a fumar de dez a 15 cigarros por dia. Dispositivos com 7% de nicotina equivalem a mais de 20 cigarros por dia, cerca de um maço de cigarros”, disse Meirelles.

  • Pipoca de micro-ondas pode causar Alzheimer, aponta estudo da USP

    Uma pesquisa inédita do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP) aponta que o consumo excessivo de pipoca de micro-ondas que tenha diacetil, composto responsável por dar o aroma e o gosto amanteigado, pode causar Alzheimer.

    Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores avaliaram cérebros de ratos que consumiram o composto por 90 dias seguidos.

    Após esse período, os cientistas do instituto identificaram moléculas associadas ao Alzheimer no cérebro dos animais, além de outras alterações que reforçam a tese de que o consumo regular e em altas concentrações do diacetil pode gerar danos cerebrais.

    “Nós observamos que realmente existe a tendência do diacetil causar danos ao cérebro. De 48 proteínas cerebrais que avaliamos após a exposição dos animais ao produto, 46 sofreram algum tipo de desregulação ou modificação em sua estrutura por conta do consumo prolongado do composto. Nós identificamos o aumento da concentração de proteínas beta-amiloides, que normalmente são encontradas em pacientes com Alzheimer. Além disso, outras alterações verificadas no cérebro dos ratos podem estar relacionadas ao surgimento de demência e câncer”, afirmou o doutorando do IQSC Lucas Ximenes, autor da pesquisa.

    Segundo o pesquisador, o diacetil afetou tanto os cérebros de ratos machos quanto os de fêmeas, sendo que algumas regiões do órgão foram mais comprometidas, como o hipotálamo.

    O estudo é inédito, segundo Ximenes. "Até então, não se sabia exatamente quais os possíveis efeitos e modificações que o composto poderia gerar no cérebro de organismos vivos, existem poucos estudos nesse sentido. Além disso, alguns trabalhos utilizam quantidades absurdas do composto, até 50 vezes maiores que a que é utilizada nos produtos. O que nós fizemos foi utilizar concentrações de diacetil mais próximas do que seria um consumo diário normal”, afirmou.

    Os cérebros dos ratos foram avaliados com a ajuda de dois equipamentos. Um deles, chamado espectrômetro de massas, faz a leitura e gera mapas de calor dos órgãos, formando uma espécie de impressão digital dos cérebros. Com isso, é possível observar como e em quais regiões certas proteínas e o diacetil estão distribuídos.

    Em uma segunda etapa, outro aparelho, chamado cromatógrafo, ajudou a determinar se essas proteínas sofreram alterações, como o aumento de sua concentração ou alguma mudança estrutural preocupante.

    Os testes foram realizados com um total de 12 ratos, sendo que metade foi o grupo controle (que tomou placebo) e a outra metade ingeriu o diacetil. Agora, os pesquisadores do IQSC pretendem realizar novos testes com um número maior de animais.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.