Sexta, 21 Janeiro 2022 | Login
SENAI CIMATEC inicia testes da vacina brasileira contra Covid-19 com humanos em Salvador

SENAI CIMATEC inicia testes da vacina brasileira contra Covid-19 com humanos em Salvador


Tecnologia possibilitará também novos estudos para produção de vacinas para enfrentamento de doenças como zika, febre amarela e câncer

A vacina brasileira RNA MCTI CIMATEC HDT contra a Covid-19 entrará na primeira fase de testes, nesta quinta-feira (13), em Salvador (BA). No Brasil, o estudo está sendo conduzido pelo SENAI CIMATEC, e o desenvolvimento da tecnologia é feito pelos pesquisadores do Instituto SENAI de Inovação de Sistemas Avançados de Saúde em parceria com a HDT Bio Corp (Seattle, EUA), empresa de biotecnologia sem fins lucrativos, e com a RedeVírus MCTI. O projeto conta com financiamento do Governo Federal, por meio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). Participam desta fase 90 voluntários, com idades entre 18 e 55 anos. O início da primeira fase do estudo clínico acontece às 10h desta quinta-feira (13/1), na sede do SENAI CIMATEC com a aplicação da primeira dose da vacina.

A pandemia da Covid-19 acelerou processos e desenvolvimento da tecnologia brasileira. O diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, destaca que as parcerias internacionais têm um importante papel no fomento a inovação brasileira. “Parcerias como essa ajudam a construir novos caminhos para a saúde pública, com a capacidade de fabricar vacinas e medicamentos no Brasil, dando à população maior acesso ao que tem de mais moderno”, ressalta.

A vacina RNA MCTI CIMATEC HDT é composta por duas plataformas tecnológicas: o replicon de RNA (substância ativa) e uma formulação lipídica (LION). Por meio dessas duas plataformas inéditas e inovadoras, repRNA e LION, espera-se que a vacina seja capaz de gerar uma imunização robusta e duradoura com uma dose menor de imunizante. A repRNA (replicon de RNA) é o primeiro imunizante que utiliza essa tecnologia a ter uma fase de estudos realizada no Brasil. O replicon de RNA é capaz de se autoamplificar e ser reconhecido pelo organismo como um RNA mensageiro, que, por sua vez, ensina o corpo humano a produzir respostas contra o vírus (anticorpos).

O imunizante integra um plano de desenvolvimento global que está sendo realizado no Brasil, Estados Unidos e Índia, por meio da parceria entre as três instituições: SENAI CIMATEC, HDT Bio Corp e Gennova Biopharmaceuticals (Índia). O estudo de Fase I custará R$ 6 milhões.

Segundo o médico infectologista e professor titular do SENAI CIMATEC, PhD em Imunologia e Doenças Infecciosas, Roberto Badaró, o objetivo principal desta etapa é avaliar a segurança e a reatogenicidade do novo imunizante, ou seja, a capacidade de a vacina gerar reação adversa (ou colateral) local ou sistêmica no organismo. “Serão testadas três diferentes concentrações de dose, verificando-se qual delas se mostrará mais promissora na produção de resposta imune humoral e celular contra o vírus SARS-CoV-2. Além disso, a expectativa é que essa vacina possa proteger contra todas as variantes da Covid-19 existentes, até o momento”, explica

Ainda de acordo com Roberto Badaró, a tecnologia utilizada no imunizante RNA MCTI CIMATEC HDT é uma grande oportunidade para a produção de outras vacinas não só para o coronavírus. Essa tecnologia poderá atender a produção nacional de vacinas para a prevenção de doenças como dengue, zika, febre amarela,podendo ser adaptada também para o câncer. “O impacto na morbidade das doenças que avassalam a humanidade vai ser muito grande, a ciência dá um salto muito grande para criar medicamentos específicos para as pessoas utilizarem”, ressalta.

Sobre a vacina

A nova vacina consiste numa formulação de nanocarreador lipídica chamada de LION (do inglês, Lipid InOrganic hybridized Nanoparticle) e uma molécula de repRNA que codifica a proteína spike (S) do SARS-CoV-2. Em contato com o organismo, o repRNA tem capacidade de se autorreproduzir, gerando então o RNA mensageiro, que ensina o corpo humano a produzir os anticorpos específicos.

“Diante da plataforma tecnológica da vacina, o que a gente espera é que esta seja uma vacina de dose única, já que pequenas concentrações se mostraram capazes de promover uma alta resposta imune”, afirma Bruna Machado, líder técnica do projeto no SENAI CIMATEC, farmacêutica e PhD em Biotecnologia.

Os estudos da vacina para a Covid-19 incluem ainda as fases II e III, até que o imunizante seja aprovado para registro e produção no Brasil. Uma vez comprovada a segurança na fase I, após as análises estatísticas dos dados, terá início a fase II, com a participação de 400 indivíduos. Da mesma forma, o início da fase III dependerá dos resultados da fase anterior. Para a fase III está previsto o recrutamento de 3.000 a 5.000 participantes. Ao todo, o período de testes vai durar cerca de um ano.

A HDT Bio Corp é detentora da tecnologia e fará, por meio do SENAI CIMATEC, a transferência de tecnologia e incorporação de conhecimento ao Brasil. A instituição brasileira realizará os ensaios clínicos de Fase I, II e III. A Gennova é responsável pela fabricação dos lotes piloto da vacina para os ensaios iniciais, e ainda, conduzirá a transferência de tecnologia de fabricação da vacina para o SENAI CIMATEC.

De acordo com o diretor de Tecnologia e Inovação do SENAI CIMATEC, Leone Peter Andrade, a nova vacina oferece vantagens e benefícios, pois a tecnologia utilizada permite que o processo produtivo seja rápido e escalonável, utilizando menos componentes e etapas, quando comparada a métodos tradicionais. “Esse projeto permitirá a utilização de uma plataforma tecnológica de ponta para o desenvolvimento de novos produtos de interesse do Brasil”, pontua.

Itens relacionados (por tag)

  • Bahia é o segundo maior produtor de gemas fascina do país

    A beleza das gemas fascina e encanta milhares de pessoas pelo mundo e o Brasil possui grande destaque neste setor. Atualmente o país é reconhecido como um dos mais importantes pólos de gemas do planeta, ocupando a primeira posição entre os países latino-americanos na produção e comercialização desse bem mineral sob a forma bruta. Já a Bahia, dados de 2015 da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE), mostram que o estado detém a segunda maior reserva de gemas do país, ficando atrás apenas de Minas Gerais.

    Ainda de acordo com a SDE, a Bahia é o primeiro produtor de diamantes em kimberlitos (extraído na rocha matriz), o segundo maior produtor de esmeralda e o principal produtor de quartzo rutilado do Brasil. Grande parte da produção do estado é voltada especialmente para o mercado externo, tendo como principais setores de consumo a indústria de lapidação e a joalheria.

    O diamante, por exemplo, uma das pedras mais cobiçadas para a fabricação de joias e também considerado o material mais duro do mundo é encontrado na cidade de Nordestina, e produzido pela empresa Lipari Mineração. A Mina Braúna é considerada a primeira mina de diamantes da América do Sul desenvolvida em depósito kimberlítico, rocha fonte primária de diamante.

    A mina entrou em operação comercial em julho de 2016 e atualmente é a maior produtora de diamantes do Brasil. A empresa é responsável por mais de 80% da produção nacional, em termos de volume, que seguem os trâmites do Sistema de Certificação Processo Kimberley (SCPK), certificação internacional que estabelece os requisitos para controlar a produção e o comércio internacional de diamantes brutos.

    Para os próximos três anos, a SDE informa que a Lipari prevê novos investimentos na região. Estima-se que algo na ordem US$5.5 milhões (cerca de R$29 milhões) seja destinado a estudos de viabilidade da mina subterrânea e pesquisa mineral em novas áreas.

    Outro grande destaque na produção de gemas é a Cooperativa Mineral da Bahia (CMB). Situada na Serra de Carnaíba, em Pindobaçu, a cooperativa é responsável pela produção de esmeraldas, que assim como o diamante, é uma das gemas mais valiosas do mundo. Fundada em 2006, a Cooperativa possui uma Permissão Lavra Garimpeira (PLG). Os requerimentos minerários concentram-se em Pindobaçu, mas se estendem parcialmente pelos municípios de Saúde e Mirangaba.

    De acordo com o presidente da CMB, Humberto Meneses, “o garimpo da Carnaíba não é importante apenas para as comunidades localizadas na cadeia de montanhas da área da lavra garimpeira. Sua importância ultrapassa os limites territoriais do município de Pindobaçu e movimenta a economia de outras cidades, a exemplo de Campo Formoso, que sobrevive direta ou indiretamente das esmeraldas retiradas do subsolo da Carnaíba, as quais são transformadas em joias”, destaca.

    Conforme a CMB, cerca de 8 mil pessoas da região de Pindobacu estão ligadas diretamente às atividades de mineração e mais de 2.000 pessoas trabalham diretamente na extração de pedras preciosas. Além disso, milhares de outras pessoas da região são beneficiadas indiretamente pela extração de esmeraldas.

    Para o presidente da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), Antonio Carlos Tramm, a riqueza mineral da Bahia é um dos motivos para que o estado esteja a cada ano ganhando mais destaque no setor. “Possuímos uma diversidade mineral muito grande e de qualidade. A liderança na produção nacional de diamantes e a vice-liderança na produção de esmeraldas são exemplo dessa riqueza e que só tendem a melhorar nos próximos anos. A CBPM, por exemplo, concluiu no final do ano passado uma licitação de sucesso para a pesquisa e exploração de esmeraldas, também em Pindobaçu, e que provavelmente irá ampliar a produção do estado”, ressalta.

  • Baianos encaram até 5h em fila para fazer teste de covid-19

    A procura por testes de detecção de covid-19 em Salvador é tanta que está até alterando o trânsito nas ruas. A espera nas filas de carros nos laboratórios chega a até 5 horas. Na Pituba, por exemplo, equipes da Transalvador precisaram ser acionadas para organizar o trânsito na Rua Ceará e na Avenida Manoel Dias para os laboratórios DNA e Jaime Cerqueira, respectivamente. Quem procura os testes nas farmácias diz ter dificuldades, assim como para agendar a testagem. Com isso, a alternativa é buscar o drive thru por ordem de chegada e enfrentar fila.

    O petroquímico Fábio Nunes, de 43 anos, esperou tanto nesta quinta (20) pela testagem no Laboratório DNA, na Paulo VI, que deu tempo de tomar três tigeladas de açaí, que substituíram o almoço. Ele chegou por volta das 10h e, somente às 15h era o próximo a ser atendido. O final da fila alcançava a Rua Ceará. “A fila nem estava tão grande assim quando eu cheguei, mas a demora está absurda. Eu não entendo isso, porque a duração do teste em si é rápida”, disse.

    Fábio já tinha testado positivo e, agora, precisava de um teste negativo para poder voltar ao trabalho. “Quando eu vim pela primeira vez fazer o teste, passei umas 4 horas na fila. Aí deu positivo. Agora é essa agonia de novo para poder comprovar que já estou negativado e voltar a trabalhar".

    Na Avenida Manoel Dias, a fila da clínica Eco e do Laboratório Jaime Cerqueira se confundiam e chegava até a Igreja Nossa Senhora da Luz durante a manhã. À tarde, até o cruzamento com a Rua Pernambuco. O Jaime Cerqueira dividiu os atendimentos. Na frente, clientes particulares e, pelos fundos, pacientes com requisição do plano de saúde. Às 16h, a próxima pessoa da fila esperava desde às 12h.

    A psicóloga Luana Araújo, de 24 anos, foi fazer o teste pela manhã. Ela chegou por volta das 10h30 e saiu 13h. O plano inicial era fazer o teste no Jaime Cerqueira, mas, com a confusão no trânsito, acabou fazendo na Clínica Eco. “Era uma fila só e, lá na frente eles dividiam. Quando cheguei na frente da Eco, só tinha um carro na fila, sendo que a fila do Jaime ainda estava enorme. Aí fiz ali mesmo”, contou. O resultado sai em 24 horas.

    Ela está com tosse, mal estar, nariz entupido e espirros, por isso, decidiu fazer o teste. “Os laboratórios não estão mais agendando, só se for para atendimento domiciliar. Mas aí eu tentei essa modalidade e só tinha para a próxima segunda. Então resolvi enfrentar as filas por ordem de chegada”, explicou.

    Segundo a Transalvador, o órgão tem intensificado, desde a última semana, o monitoramento e ordenamento das filas que se formam nos entornos de laboratórios da cidade, especialmente na Av. Manoel Dias da Silva e na Av. Paulo VI. “O órgão de trânsito tem adotado medidas cabíveis, como acostar e sinalizar as filas, para garantir a fluidez do tráfego de veículos nas principais faixas das vias”, diz o comunicado.

    “Na manhã de quinta-feira (20), a Transalvador realizou uma visita técnica nestes locais para avaliar outras possíveis soluções. Ao mesmo tempo, a autarquia municipal tem exigido dos laboratórios a contratação de monitores para organizar as filas”, completa a nota.

    As filas atraíram o artista plástico e produtor cultural Adilson Guedes, de 55 anos, conhecido por carregar uma escultura grande em formato de seringa nas filas de vacinação. Ao invés das filas de vacinação, ele fica agora nas filas dos testes.

    “O artista está onde o povo está. Antes eu ficava nas filas de vacinação, que diminuíram. Agora as filas da vez são as dos testes. Estou por aqui pela Manoel Dias porque é onde tem mais movimento. Chego às 8h, paro um pouco quando o sol está mais forte e depois volto. Essa é minha forma de levar alegria para as pessoas e também minha forma de sustento atualmente”, contou.

    A alta procura acontece no momento de subida dos casos ativos na Bahia. Segundo especialistas, isso se deve à alta taxa de transmissão da variante Ômicron, que já é responsável pela maioria das infecções. Nesta quarta (19), a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) divulgou que a taxa de positividade dos testes PT-PCR para covid-19 analisados pelo Lacen-BA chegaram a 51,29%. Isso significa que, a cada 100 testes feitos no estado, 51 dão positivo. Para efeito de comparação, a taxa de positividade há duas semanas, no dia 4 de janeiro, era de 5,49%. Com isso, o aumento da taxa foi de 683% nos últimos 19 dias.

    A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) fez um alerta para a possibilidade de falta de testes de antígeno e PCR (o molecular, tipo mais preciso), se estoques de insumos necessários para os exames para o diagnóstico da covid-19 não forem repostos "rapidamente". A Abramed diz não saber até quando os laboratórios conseguirão atender a demanda por testes e recomendou que aos seus associados que pararem de testar casos leves da doença.

    A falta ou escassez de insumos já é realidade em alguns laboratórios. A estudante Jade Leal, de 22 anos, disse que procurou sete laboratórios e duas farmácias em busca de teste, sem sucesso. Por conta das longas filas, ela preferiu a testagem domiciliar. “Eu não dirijo, então eu ia colocar em risco meu pai ou minha mãe”.

    “Eu entrei em contato com sete laboratórios e não conseguia agendar, às vezes só tinha para daqui a cinco dias e um deles não me respondeu até hoje. No Labchecap o teste estava até suspenso por falta de material. Foi um caos! Isso era pelo plano, então eu decidi buscar as farmácias de forma particular. Era surreal porque você ligava disposta a pagar e eles simplesmente não tinham teste”, disse. “Depois de muito consegui uma coleta em domicílio pelo Spalazanni, mas mesmo assim porque houve uma desistência e a atendente me encaixou”, completou.

    Procurados, os laboratórios DNA e Jaime Cerqueira não responderam o contato até o fechamento da reportagem. O CORREIO não conseguiu contato com o Laboratório Labchecap.

    Quais são os tipos de teste?

    Os testes PCR são considerados os mais eficazes para o diagnóstico do vírus. Deve ser feito durante a primeira semana de sintomas, sendo indicado a partir do terceiro dia. O material é colhido com swab por raspagem do nariz ou garganta para encontrar a presença do material genético (RNA) do vírus. O resultado fica pronto entre 24 e 48 horas.

    Os testes de sorologia por sua vez identificam a presença de anticorpos IgM, IgA e/ou IgG no sangue. Ele deve ser feito no mínimo 10 dias após o início dos sintomas uma vez que anticorpos surgem apenas após um tempo mínimo de exposição ao vírus. É eficaz para determinar se a pessoa entrou em contato com o vírus anteriormente ou em período recente. Caso seja realizado fora do período indicado ou os sintomas apresentados sejam leves ou sem sintomas, é possível ter um resultado negativado.

    Os testes rápidos utilizam coleta oral, nasal ou de amostra do sangue. Deve ser feito durante a primeira semana de sintomas e ambos oferecem resultados em até 30 minutos. Porém seu método é simplificado e não oferece a mesma precisão dos PCRs, sendo propensos a resultados falso negativo e falso positivo.

    Nos Estados Unidos e em países da Europa, por exemplo, a população pode comprar ou conseguir gratuitamente testes de covid-19 para serem feitos em casa. Enquanto isso, no Brasil, a testagem continua centrada em clínicas, laboratórios, farmácias e postos de saúde. Isso porque o chamado autoteste não é autorizado no Brasil por causa de uma resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de 2015.

    O Ministério da Saúde concluiu que o autoteste para diagnóstico de covid-19 pode ser uma “importante ferramenta de apoio” na contenção do vírus e pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que avalie o tema. A reunião para avaliação aconteceria nesta quarta (19), mas foi adiada. O placar da votação foi de quatro votos contrários à liberação com as informações atuais contra um voto a favor da liberação imediata.A Anvisa alega que falta uma política pública para os autotestes e deu um prazo de 15 dias para que o Ministério da Saúde apresente mais informações.

    Como conseguir teste pelo plano de saúde?

    Nesta quarta (19) a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou que o teste rápido de antígenos para detecção da covid-19 passa a ter cobertura obrigatória dos planos de saúde. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta (20) e tem validade imediata. A inclusão do exame no rol de procedimentos obrigatórios levou sete meses de discussão porque enfrentou resistência das operadoras de saúde. O teste de antígeno é aquele em que o coronavírus é detectado em até 15 minutos e pode ser encontrado em farmácias e laboratórios.

    A justificativa da decisão é facilitar e ampliar a detecção da doença, diante da alta do número de casos ativos e da procura por testes. Além dos testes de antígeno, quem tem plano de saúde no país poderá se valer da cobertura do RT-PCR, dos testes sorológicos por pesquisa de anticorpos IGG ou anticorpos totais.

    O acesso aos testes rápidos é para indivíduos com planos de saúde com segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência, que apresentem Síndrome Gripal (SG) ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), entre o 1° dia e 7° dia desde o início dos sintomas.

    A Síndrome Gripal (SG) é atribuída ao paciente com quadro respiratório agudo, caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre, calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos. Em crianças: além sintomas citados, o responsável deve considerar obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico. Em idosos: deve-se considerar também critérios específicos de agravamento, como: síncope, confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade e inapetência. Na suspeita de Covid-19, a febre pode estar ausente e sintomas gastrointestinais (diarreia) podem estar presentes.

    Já a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é atribuída ao paciente com Síndrome Gripal (SG), que também apresente: desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax, ou ainda saturação de oxigênio menor que 95% em ar ambiente, coloração azulada dos lábios ou rosto. Em crianças: além dos sintomas já mencionados, o responsável deve observar os batimentos de asa de nariz, cianose, tiragem intercostal, desidratação e inapetência.

    Os convênios só são obrigados a pagar o exame caso haja pedido de um médico. O teste rápido incluído no rol de coberturas dos planos de saúde é feito exclusivamente em laboratórios, não estando cobertos os testes realizados em farmácias.

    A Agência orienta que o beneficiário consulte a operadora do seu plano de saúde para informações sobre o local mais adequado para a realização do exame. A ANS recebe reclamações sobre falhas de atendimento pelo telefone 0800 70 19 656 ou em seu site (www.ans.gov.br).

    Onde fazer teste sem precisar agendar?

    Laboratório Clab:
    Teste RT-PCR
    Valor - R$280,00
    Unidades: Barbalho, Imbuí, Cidadela e Itinga
    Prazo para entrega do resultado: 1 dia útil

    Teste Rápido de Antígeno
    Valor - R$190,00
    Unidades: Barbalho, Imbuí, Cidadela e Itinga
    Prazo para entrega do resultado: em até 3 horas

    Diagnoson a+:
    Teste de Sorologia (IgM e IgG)
    Valor – R$210,00
    Unidades: Matatu, Graça, Paulo VI, Imbuí, Stella Maris, Rua Pernambuco (Pituba)
    Prazo para entrega do resultado: em até 3 dias úteis

    Teste de Anticorpos Neutralizantes
    Valor – R$231,00
    Unidades: Matatu, Graça, Paulo VI, Imbuí, Stella Maris, Rua Pernambuco (Pituba)
    Prazo para entrega do resultado: em até 4 dias úteis.

    Teste Rápido de Antígeno
    Valor – R$ 150,00
    Unidades: Rua Pernambuco (Pituba)
    Prazo para entrega do resultado: em até 4 horas.

    Labchecap
    Teste Rápido de Antígeno
    Unidades: Barra, Dom João VI, São Rafael, Federação, Rua Pernambuco (Pituba), Salvador Shopping
    Valor - R$175,00
    Prazo para entrega do resultado: em até 4 horas

    Postos itinerantes da prefeitura
    Atendimento começa às 8h e são distribuídas 200 senhas

    Posto 1 - Brotas (Final de linha)

    Posto 2 - São Caetano (Quadra poliesportiva de São Caetano)

    Laboratório DNA
    Teste RT-PCR: Valor - R$250,00
    Unidades: Itapuã, Brotas, Resgate, Paulo VI, Periperi Itaigara, Caminho de Areia e Imbuí
    Prazo para entrega de resultado: até 2 dias úteis

  • Surto de gripe e covid-19 afastam doadores dos postos de coleta de sangue

    A Fundação Hemoba tem sofrido o impacto no movimento de doadores de sangue devido ao aumento nos casos de infecções por covid-19 e por gripe influenza na Bahia. As contaminações tornam os doadores inaptos à doação por um determinado período. A inaptidão por gripe, por exemplo, aumentou mais de 300% em relação ao mesmo período do ano passado.

    Todos os anos, entre dezembro e janeiro, a Hemoba registra uma queda no número de doações de sangue, devido às festas de fim de ano e temporada de férias, mas desde a nova onda de contaminação pelo coronavírus, a situação está ainda mais delicada. Até o momento já são 102 voluntários impedidos de doar por apresentar algum sintoma gripal, contra 25 no mesmo período do ano passado. Segundo Fernando Araújo, Diretor Geral da Fundação Hemoba, esse número pode ser ainda maior, visto que aponta apenas os doadores que compareceram nas unidades e passaram pela triagem.

    “Nossos doadores fidelizados que apresentam sintomas já sabem que estão inaptos, por este motivo não comparecem à unidade para tentar fazer a doação. Essa baixa nos impede de atender as demandas transfusionais dos hospitais da rede própria, seja para pacientes em tratamento ou para realizar cirurgias eletivas e de emergência”.

    Araújo afirma ainda que “a nossa necessidade é constante e mais uma vez precisamos da ajuda da população para passarmos por esse período sem deixar pacientes desassistidos por ausência de sangue. Por isso, eu faço um apelo a você que está bem de saúde, sem sintomas gripais, e pode realizar a sua doação, para que compareça a uma das nossas unidades, e doe sangue, não dói, não causa prejuízo à saúde de quem doa e salva vidas.”

    Inaptidão por gripe e covid19
    Pessoas que estão gripadas ou que testaram positivo para Covid-19 devem aguardar o período de 15 dias após o total desaparecimento dos sintomas para realizar a doação de sangue. Já quem tomou a vacina da gripe ou o imunizante Coronavac, deve aguardar 48h para realizar a doação. As demais vacinas contra a Covid-19, como Astrazeneca, Pfizer e Jassen, impedem a doação de sangue por 07 dias.

    Critérios para doação de sangue - Para doar sangue, o voluntário deve estar de máscara, em boas condições de saúde, sem sintomas virais, pesar mais de 50 quilos, estar bem alimentado, ter dormido pelo menos 6h, não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12h, não fumar por pelo menos, duas horas, e ter entre 16 e 69 anos incompletos. Menores de 18 anos precisam estar acompanhados de um responsável legal, e apresentar documento original com foto, emitido por órgão oficial e válido em todo o território nacional, além de cartão de vacinação.

    Onde doar:
    A Fundação Hemoba conta com 29 unidades de coleta em todo estado nas cidades de Salvador, Camaçari, Feira de Santana, Alagoinhas, Santo Antônio de Jesus, Vitória da Conquista, Eunápolis, Barreiras, Brumado, Jequié, Guanambi, Irecê, Jacobina, Itaberaba, Itapetinga, Juazeiro, Paulo Afonso, Teixeira de Freitas, Ribeira do Pombal, Seabra, Senhor do Bonfim, Valença. Para conferir dias e horários de atendimento acesse o site da Hemoba: www.hemoba.ba.gov.br

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.