Sexta, 21 Janeiro 2022 | Login
Com baixo estoque, laboratórios sugerem testes de covid só para casos graves

Com baixo estoque, laboratórios sugerem testes de covid só para casos graves

A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) alerta para a possibilidade de falta de testes de antígeno e PCR (o molecular, tipo mais preciso), se estoques de insumos necessários para os exames para o diagnóstico da covid-19 não forem repostos "rapidamente". A Abramed diz não saber até quando os laboratórios conseguirão atender a demanda por testes, que cresceu principalmente por causa da alta transmissibilidade da variante Ômicron, e recomenda parar de testar casos leves da doença.

O Ministério da Saúde, no entanto, se desvinculou do eventual cenário de escassez na rede pública e atribuiu a responsabilidade pela testagem no País aos Estados e municípios. Em nota, a pasta chefiada por Marcelo Queiroga informou estar atenta à situação de testes para covid-19 e disse realizar "rotineiramente" o monitoramento da disponibilidade dos insumos necessários para a realização dos exames no Sistema Único de Saúde (SUS). O ministério, porém, destacou que cabe aos Estados e municípios adquirir os recursos para os diagnósticos.

"No entanto, por conta da pandemia da covid-19, a pasta tem apoiado os Estados com a disponibilização dos testes. Desde o início da pandemia foram entregues mais de 27,4 milhões de testes do tipo RT-PCR e 38,8 milhões de testes rápidos de antígeno para todo o País", diz a nota do ministério.

Minutos antes da divulgação da nota, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) apresentou ofício ao ministro Queiroga com demandas que envolviam, dentre outras medidas, "o aporte de recursos financeiros para abertura, no menor tempo possível, de pontos de testagem em massa para acesso de primeiro contato de toda a população". No mesmo documento, é solicitado o reconhecimento da existência de uma nova onda de covid-19 no País provocada pela disseminação da variante Ômicron.

Diante da possibilidade de desabastecimento dos estoques, a Rede D'Or, de hospitais privados, disse que já tem priorizado pacientes com indicação clínica, internados e profissionais de saúde, diante da alta demanda de exames. A testagem dos casos não graves será retomada "tão logo haja um reequilíbrio entre a demanda e os insumos disponíveis". A Dasa, grupo brasileiro dono de dezenas de redes de laboratórios de medicina diagnóstica, afirmou priorizar casos graves e profissionais de saúde. Já a Rede de farmácias RaiaDrogasil suspendeu o agendamento online para testes de covid.

"A gente está vivendo uma situação parecida com a do início da pandemia, quando havia uma disputa internacional pelos kits de diagnóstico e reagentes", afirmou o presidente do Conselho de Administração da Abramed, Wilson Shcolnik, lembrando que, no Brasil, dependemos de insumos importados para os exames. "Esses insumos são fabricados nos EUA, na Europa, na China, na Coreia do Sul; o que acaba acontecendo é que os países que investem pesado em testagem e aqueles onde os produtores estão localizados estão tendo prioridade."

Gravidade
Segundo a Abramed, seus associados respondem por mais de 65% de todos os exames realizados pela saúde suplementar no País. Para eles, a associação emitiu nota técnica pedindo pela priorização de pacientes a serem testados. A escala de gravidade se dá na seguinte ordem: pacientes que tenham maior gravidade de sintomas; doentes hospitalizados e cirúrgicos; pessoas no grupo de risco; gestantes; trabalhadores assistenciais da área da saúde; e colaboradores de serviços essenciais.

Nesse sentido, a Abramed pede que testes não sejam aplicados em "assintomáticos e pessoas com sintomas leves". Aqueles com quadro leve devem permanecer em isolamento. A associação disse que entrará em contato com outras entidades do setor de saúde, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o Ministério da Saúde, a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) e a Associação Médica Brasileira (AMB) para falar sobre a necessidade de otimizar o uso dos testes.

De acordo com a Abramed, entre 3 e 8 de janeiro foram mais de 240 mil teste para detecção do coronavírus feitos. A alta é de 98% no número de testes realizados em comparação à semana do Natal, entre 20 a 26. O volume de exames com resultados positivos para covid passou de uma média de 7,6% para mais de 40%.

A Rede D'Or diz que todos os exames coletados estão sendo entregues nos prazos combinados. "Tão logo haja reequilíbrio entre a demanda e os insumos disponíveis, retomaremos a testagem de pacientes que não estejam nos critérios de prioridade."

Rede RaiaDrogasil suspende agendamento online
Farmácias da Rede RaiaDrogasil suspenderam temporariamente o agendamento online de testes de covid-19. Em nota, a empresa informa que "está atuando na reposição dos estoques para o abastecimento de suas lojas o mais breve possível". A retomada no serviço deve se dar quando o abastecimento for "normalizado".

Tanto a Droga Raia quanto a Drogasil oferecem testes de quatro tipos: PCR-LAMP, antígeno nasal, antígeno oral e de sorologia. Para fazer o agendamento on-line é preciso fornecer CPF, e-mail e nome.

Em nota enviada ao Estadão, a empresa diz que "a demanda por testes de covid-19 cresceu consideravelmente e há falta de testes no mercado como um todo". A Rede RaiaDrogasil reúne mais de 2,3 mil lojas em 24 Estados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Itens relacionados (por tag)

  • Baianos encaram até 5h em fila para fazer teste de covid-19

    A procura por testes de detecção de covid-19 em Salvador é tanta que está até alterando o trânsito nas ruas. A espera nas filas de carros nos laboratórios chega a até 5 horas. Na Pituba, por exemplo, equipes da Transalvador precisaram ser acionadas para organizar o trânsito na Rua Ceará e na Avenida Manoel Dias para os laboratórios DNA e Jaime Cerqueira, respectivamente. Quem procura os testes nas farmácias diz ter dificuldades, assim como para agendar a testagem. Com isso, a alternativa é buscar o drive thru por ordem de chegada e enfrentar fila.

    O petroquímico Fábio Nunes, de 43 anos, esperou tanto nesta quinta (20) pela testagem no Laboratório DNA, na Paulo VI, que deu tempo de tomar três tigeladas de açaí, que substituíram o almoço. Ele chegou por volta das 10h e, somente às 15h era o próximo a ser atendido. O final da fila alcançava a Rua Ceará. “A fila nem estava tão grande assim quando eu cheguei, mas a demora está absurda. Eu não entendo isso, porque a duração do teste em si é rápida”, disse.

    Fábio já tinha testado positivo e, agora, precisava de um teste negativo para poder voltar ao trabalho. “Quando eu vim pela primeira vez fazer o teste, passei umas 4 horas na fila. Aí deu positivo. Agora é essa agonia de novo para poder comprovar que já estou negativado e voltar a trabalhar".

    Na Avenida Manoel Dias, a fila da clínica Eco e do Laboratório Jaime Cerqueira se confundiam e chegava até a Igreja Nossa Senhora da Luz durante a manhã. À tarde, até o cruzamento com a Rua Pernambuco. O Jaime Cerqueira dividiu os atendimentos. Na frente, clientes particulares e, pelos fundos, pacientes com requisição do plano de saúde. Às 16h, a próxima pessoa da fila esperava desde às 12h.

    A psicóloga Luana Araújo, de 24 anos, foi fazer o teste pela manhã. Ela chegou por volta das 10h30 e saiu 13h. O plano inicial era fazer o teste no Jaime Cerqueira, mas, com a confusão no trânsito, acabou fazendo na Clínica Eco. “Era uma fila só e, lá na frente eles dividiam. Quando cheguei na frente da Eco, só tinha um carro na fila, sendo que a fila do Jaime ainda estava enorme. Aí fiz ali mesmo”, contou. O resultado sai em 24 horas.

    Ela está com tosse, mal estar, nariz entupido e espirros, por isso, decidiu fazer o teste. “Os laboratórios não estão mais agendando, só se for para atendimento domiciliar. Mas aí eu tentei essa modalidade e só tinha para a próxima segunda. Então resolvi enfrentar as filas por ordem de chegada”, explicou.

    Segundo a Transalvador, o órgão tem intensificado, desde a última semana, o monitoramento e ordenamento das filas que se formam nos entornos de laboratórios da cidade, especialmente na Av. Manoel Dias da Silva e na Av. Paulo VI. “O órgão de trânsito tem adotado medidas cabíveis, como acostar e sinalizar as filas, para garantir a fluidez do tráfego de veículos nas principais faixas das vias”, diz o comunicado.

    “Na manhã de quinta-feira (20), a Transalvador realizou uma visita técnica nestes locais para avaliar outras possíveis soluções. Ao mesmo tempo, a autarquia municipal tem exigido dos laboratórios a contratação de monitores para organizar as filas”, completa a nota.

    As filas atraíram o artista plástico e produtor cultural Adilson Guedes, de 55 anos, conhecido por carregar uma escultura grande em formato de seringa nas filas de vacinação. Ao invés das filas de vacinação, ele fica agora nas filas dos testes.

    “O artista está onde o povo está. Antes eu ficava nas filas de vacinação, que diminuíram. Agora as filas da vez são as dos testes. Estou por aqui pela Manoel Dias porque é onde tem mais movimento. Chego às 8h, paro um pouco quando o sol está mais forte e depois volto. Essa é minha forma de levar alegria para as pessoas e também minha forma de sustento atualmente”, contou.

    A alta procura acontece no momento de subida dos casos ativos na Bahia. Segundo especialistas, isso se deve à alta taxa de transmissão da variante Ômicron, que já é responsável pela maioria das infecções. Nesta quarta (19), a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) divulgou que a taxa de positividade dos testes PT-PCR para covid-19 analisados pelo Lacen-BA chegaram a 51,29%. Isso significa que, a cada 100 testes feitos no estado, 51 dão positivo. Para efeito de comparação, a taxa de positividade há duas semanas, no dia 4 de janeiro, era de 5,49%. Com isso, o aumento da taxa foi de 683% nos últimos 19 dias.

    A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) fez um alerta para a possibilidade de falta de testes de antígeno e PCR (o molecular, tipo mais preciso), se estoques de insumos necessários para os exames para o diagnóstico da covid-19 não forem repostos "rapidamente". A Abramed diz não saber até quando os laboratórios conseguirão atender a demanda por testes e recomendou que aos seus associados que pararem de testar casos leves da doença.

    A falta ou escassez de insumos já é realidade em alguns laboratórios. A estudante Jade Leal, de 22 anos, disse que procurou sete laboratórios e duas farmácias em busca de teste, sem sucesso. Por conta das longas filas, ela preferiu a testagem domiciliar. “Eu não dirijo, então eu ia colocar em risco meu pai ou minha mãe”.

    “Eu entrei em contato com sete laboratórios e não conseguia agendar, às vezes só tinha para daqui a cinco dias e um deles não me respondeu até hoje. No Labchecap o teste estava até suspenso por falta de material. Foi um caos! Isso era pelo plano, então eu decidi buscar as farmácias de forma particular. Era surreal porque você ligava disposta a pagar e eles simplesmente não tinham teste”, disse. “Depois de muito consegui uma coleta em domicílio pelo Spalazanni, mas mesmo assim porque houve uma desistência e a atendente me encaixou”, completou.

    Procurados, os laboratórios DNA e Jaime Cerqueira não responderam o contato até o fechamento da reportagem. O CORREIO não conseguiu contato com o Laboratório Labchecap.

    Quais são os tipos de teste?

    Os testes PCR são considerados os mais eficazes para o diagnóstico do vírus. Deve ser feito durante a primeira semana de sintomas, sendo indicado a partir do terceiro dia. O material é colhido com swab por raspagem do nariz ou garganta para encontrar a presença do material genético (RNA) do vírus. O resultado fica pronto entre 24 e 48 horas.

    Os testes de sorologia por sua vez identificam a presença de anticorpos IgM, IgA e/ou IgG no sangue. Ele deve ser feito no mínimo 10 dias após o início dos sintomas uma vez que anticorpos surgem apenas após um tempo mínimo de exposição ao vírus. É eficaz para determinar se a pessoa entrou em contato com o vírus anteriormente ou em período recente. Caso seja realizado fora do período indicado ou os sintomas apresentados sejam leves ou sem sintomas, é possível ter um resultado negativado.

    Os testes rápidos utilizam coleta oral, nasal ou de amostra do sangue. Deve ser feito durante a primeira semana de sintomas e ambos oferecem resultados em até 30 minutos. Porém seu método é simplificado e não oferece a mesma precisão dos PCRs, sendo propensos a resultados falso negativo e falso positivo.

    Nos Estados Unidos e em países da Europa, por exemplo, a população pode comprar ou conseguir gratuitamente testes de covid-19 para serem feitos em casa. Enquanto isso, no Brasil, a testagem continua centrada em clínicas, laboratórios, farmácias e postos de saúde. Isso porque o chamado autoteste não é autorizado no Brasil por causa de uma resolução da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de 2015.

    O Ministério da Saúde concluiu que o autoteste para diagnóstico de covid-19 pode ser uma “importante ferramenta de apoio” na contenção do vírus e pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que avalie o tema. A reunião para avaliação aconteceria nesta quarta (19), mas foi adiada. O placar da votação foi de quatro votos contrários à liberação com as informações atuais contra um voto a favor da liberação imediata.A Anvisa alega que falta uma política pública para os autotestes e deu um prazo de 15 dias para que o Ministério da Saúde apresente mais informações.

    Como conseguir teste pelo plano de saúde?

    Nesta quarta (19) a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou que o teste rápido de antígenos para detecção da covid-19 passa a ter cobertura obrigatória dos planos de saúde. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta (20) e tem validade imediata. A inclusão do exame no rol de procedimentos obrigatórios levou sete meses de discussão porque enfrentou resistência das operadoras de saúde. O teste de antígeno é aquele em que o coronavírus é detectado em até 15 minutos e pode ser encontrado em farmácias e laboratórios.

    A justificativa da decisão é facilitar e ampliar a detecção da doença, diante da alta do número de casos ativos e da procura por testes. Além dos testes de antígeno, quem tem plano de saúde no país poderá se valer da cobertura do RT-PCR, dos testes sorológicos por pesquisa de anticorpos IGG ou anticorpos totais.

    O acesso aos testes rápidos é para indivíduos com planos de saúde com segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência, que apresentem Síndrome Gripal (SG) ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), entre o 1° dia e 7° dia desde o início dos sintomas.

    A Síndrome Gripal (SG) é atribuída ao paciente com quadro respiratório agudo, caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre, calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos. Em crianças: além sintomas citados, o responsável deve considerar obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico. Em idosos: deve-se considerar também critérios específicos de agravamento, como: síncope, confusão mental, sonolência excessiva, irritabilidade e inapetência. Na suspeita de Covid-19, a febre pode estar ausente e sintomas gastrointestinais (diarreia) podem estar presentes.

    Já a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é atribuída ao paciente com Síndrome Gripal (SG), que também apresente: desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax, ou ainda saturação de oxigênio menor que 95% em ar ambiente, coloração azulada dos lábios ou rosto. Em crianças: além dos sintomas já mencionados, o responsável deve observar os batimentos de asa de nariz, cianose, tiragem intercostal, desidratação e inapetência.

    Os convênios só são obrigados a pagar o exame caso haja pedido de um médico. O teste rápido incluído no rol de coberturas dos planos de saúde é feito exclusivamente em laboratórios, não estando cobertos os testes realizados em farmácias.

    A Agência orienta que o beneficiário consulte a operadora do seu plano de saúde para informações sobre o local mais adequado para a realização do exame. A ANS recebe reclamações sobre falhas de atendimento pelo telefone 0800 70 19 656 ou em seu site (www.ans.gov.br).

    Onde fazer teste sem precisar agendar?

    Laboratório Clab:
    Teste RT-PCR
    Valor - R$280,00
    Unidades: Barbalho, Imbuí, Cidadela e Itinga
    Prazo para entrega do resultado: 1 dia útil

    Teste Rápido de Antígeno
    Valor - R$190,00
    Unidades: Barbalho, Imbuí, Cidadela e Itinga
    Prazo para entrega do resultado: em até 3 horas

    Diagnoson a+:
    Teste de Sorologia (IgM e IgG)
    Valor – R$210,00
    Unidades: Matatu, Graça, Paulo VI, Imbuí, Stella Maris, Rua Pernambuco (Pituba)
    Prazo para entrega do resultado: em até 3 dias úteis

    Teste de Anticorpos Neutralizantes
    Valor – R$231,00
    Unidades: Matatu, Graça, Paulo VI, Imbuí, Stella Maris, Rua Pernambuco (Pituba)
    Prazo para entrega do resultado: em até 4 dias úteis.

    Teste Rápido de Antígeno
    Valor – R$ 150,00
    Unidades: Rua Pernambuco (Pituba)
    Prazo para entrega do resultado: em até 4 horas.

    Labchecap
    Teste Rápido de Antígeno
    Unidades: Barra, Dom João VI, São Rafael, Federação, Rua Pernambuco (Pituba), Salvador Shopping
    Valor - R$175,00
    Prazo para entrega do resultado: em até 4 horas

    Postos itinerantes da prefeitura
    Atendimento começa às 8h e são distribuídas 200 senhas

    Posto 1 - Brotas (Final de linha)

    Posto 2 - São Caetano (Quadra poliesportiva de São Caetano)

    Laboratório DNA
    Teste RT-PCR: Valor - R$250,00
    Unidades: Itapuã, Brotas, Resgate, Paulo VI, Periperi Itaigara, Caminho de Areia e Imbuí
    Prazo para entrega de resultado: até 2 dias úteis

  • Mais da metade dos testes de covid examinados pelo Lacen na Bahia dão positivo

    A taxa de positividade dos testes PT-PCR para covid-19 analisados pelo Lacen-BA chegaram a 51,29%. Isso significa que, a cada 100 testes feitos no estado, 51 dão positivo, de acordo com dados divulgados pela secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).

    Para efeito de comparação, a taxa de positividade há duas semanas, no dia 4 de janeiro, era de 5,49%. Com isso, o aumento da taxa foi de 683% nos últimos 19 dias.

    A grande culpada dessa explosão de casos é a variante Ômicron, que já representa 74% dos casos ativos na Bahia. Ela é considerada pelos especialistas muito mais transmissível que as outras cepas, incluindo a Delta.

  • 'Pandemia não está nem perto do fim', diz diretor-geral da OMS

    O Diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom disse nesta terça-feira que a alta no número de casos de covid-19, por conta da cepa ômicron, torna provável que novos variantes do coronavírus surjam. Em coletiva à imprensa, Tedros Adhanom informou que na semana passada foram registrados mais de 18 milhões de casos da doença.

    "O número de mortes permanece estável até o momento, mas nos preocupamos com o impacto da ômicron está tendo em sistemas de saúde exaustos e sobrecarregados", afirmou. Tedros afirmou que "esta pandemia não está nem perto do fim" e que é "enganosa" a narrativa de que a doença provocada pela ômicron seja leve, ainda que na média seja menos grave.

    O diretor reforçou sua preocupação especialmente com países onde a taxa de vacinação ainda é baixa. Tedros pontuou que, ainda que as vacinas tenham menor eficácia em prevenir a infecção e transmissão da ômicron em relação às variantes anteriores, ainda são "excepcionalmente boas em prevenir casos sérios da doença e mortes".

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.