Segunda, 20 Setembro 2021 | Login
Estudo britânico mostra que eficácia de vacinas diminui contra Delta

Estudo britânico mostra que eficácia de vacinas diminui contra Delta

Um estudo de saúde pública do Reino Unido descobriu que a proteção de qualquer uma das duas vacinas contra covid-19 usadas com mais frequência contra a variante Delta do novo coronavírus diminui depois de três meses.

O estudo também mostrou que as pessoas que são infectadas depois de receberem as duas doses da vacina da Pfizer-BioNTech ou da AstraZeneca podem representar um risco maior para os outros do que com variantes anteriores.

Com base em mais de 3 milhões de amostras de nariz e garganta coletadas em todo o país, o estudo da Universidade de Oxford revelou que, 90 dias após a segunda dose da vacina da Pfizer ou da AstraZeneca, a eficácia na prevenção de infecções caiu para 75% e 61% respectivamente.

Trata-se de uma redução dos índices de 85% e 68%, respectivamente, observados duas semanas após a segunda dose. A redução da eficácia foi mais entre pessoas de 35 anos ou mais.

"Essas duas vacinas, com duas doses, continuam se saindo muito bem contra a Delta. Quando você começa muito, muito alto, tem um caminho longo pela frente", disse Sarah Walker, professora de estatísticas médicas de Oxford e pesquisadora-chefe do estudo.

Walker não se envolveu na criação da vacina da AstraZeneca, desenvolvida inicialmente por especialistas de imunologia de Oxford.

Os pesquisadores não quiseram projetar quanto mais a proteção cairá com o tempo, mas deram a entender que a eficácia das duas vacinas estudadas convergirá entre quatro e cinco meses após a segunda dose.

Ressaltando o risco acentuado de contágio da variante Delta, o estudo também mostrou que aqueles que se infectam apesar de estarem totalmente vacinados, tendem a ter uma carga viral semelhante à de não vacinados com infecção, uma deterioração clara em relação à época em que a variante Alpha ainda predominava no Reino Unido.

As descobertas de Oxford se alinham a uma análise do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e chegam no momento em que o governo norte-americano delineia planos para tornar doses de reforço de vacinas contra covid-19 amplamente disponíveis a partir do mês que vem,em meio a um aumento de infecções da variante Delta. A entidade citou dados que indicam uma proteção declinante das vacinas ao longo do tempo.

Israel começou a administrar a terceira dose da vacina da Pfizer no mês passado, para conter uma disparada de infecções locais causadas pela Delta. Vários países europeus também devem começar a oferecer doses de reforço aos idosos e às pessoas com sistemas imunológicos enfraquecidos.

Itens relacionados (por tag)

  • Opas vê queda de casos de covid na América do Sul por ciclo da doença e vacina

    Diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Carissa Etienne observou, em coletiva à imprensa nesta quarta-feira, 14, que a maioria dos países da América do Sul vê declínio no número de casos e mortes por covid-19. O movimento, no entanto, vai na contramão das Américas, que registraram um aumento de quase 20% em novo casos da doença, segundo a diretora

    O gerente de incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri, afirma que a queda nos casos na América do Sul se dá por vários fatores. Entre eles, Aldighieri citou o fato dos picos de transmissão terem ocorrido no primeiro trimestre, a sazonalidade da doença e a cobertura da vacinação. Ele ainda citou o Brasil como um dos países cuja cobertura está "muito boa" e segue aumentando.

    Segundo a Opas, mais de 30% das pessoas na América Latina e Caribe foram totalmente vacinadas contra a covid-19. "Ainda que a cepa delta (do coronavírus) tenha sido detectada em todos os países da América do Sul que falam espanhol ou português, em vários a variante gama segue predominante", disse Aldighieri, que definiu o cenário como "complexo".

    Em todas as Américas, Ettiene mencionou que houve 1,4 milhão de casos e 23,3 mil mortes por covid-19 na última semana.

    Na América do Norte, as infecções aumentaram em um terço devido a picos nos EUA e Canadá, informou a diretora. "Os EUA estão notificando mais de 100 mil novas infecções diárias pela primeira vez desde janeiro e a capacidade hospitalar em muitos estados do sul continua preocupantemente baixa".

  • Bahia recebe mais de 310 mil doses de vacinas na manhã desta segunda (13)

    O estado da Bahia recebeu mais uma remessa de vacinas contra a Covid-19 nesta segunda-feira (13). De acordo com a Secretaria de Saúde estadual (Sesab), um voo comercial pousou por volta das 9h35, no aeroporto de Salvador, com um carregamento contendo 310.050 doses de Pfizer/BioNTech.

    Com esta nova carga, a Bahia chegará ao total de 17.905.768 doses de vacinas recebidas, sendo 6.653.518 da Sinovac/Coronavac; 6.751.580 da Oxford/AstraZeneca; 4.099.170 da Pfizer e 261.100 da Janssen.

  • Novo lote com mais de 140 mil doses da vacina contra a Covid-19 chega à Bahia

    Um novo lote com 146.250 doses da vacina contra a Covid-19 chegou á Bahia, na manhã desta quarta-feira (8).

    Segundo informações da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), toda a carga é composta por imunizantes da Pfizer/BioNTech.

    O avião que fez o transporte da carga pousou por volta das 9h30 no aeroporto de Salvador.

    Com esta nova carga, a Bahia chegará ao total de 17.373.418 doses de vacinas recebidas, sendo 6.653.518 da Sinovac/Coronavac; 6.751.580 da Oxford/AstraZeneca; 3.707.220 da Pfizer e 261.100 da Janssen.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.