Terça, 20 Abril 2021 | Login
Terça-feira, 20 de Abril 2021
9:54:09pm
Portugal se junta a Itália, França, Alemanha e Espanha em suspensão de vacinação com AstraZeneca

Portugal se junta a Itália, França, Alemanha e Espanha em suspensão de vacinação com AstraZeneca

Depois de Itália, França, Alemanha e Espanha suspenderem a vacina da AstraZeneca nesta segunda-feira, dia 15, Portugal se juntou à lista de países que temem a relação das doses com coágulos sanguíneos, embora a Organização Mundial da Saúde (OMS) tenha recomendado manter sua utilização. Até o momento, já são 10 países europeus a terem adotado esta suspensão, já que Irlanda, Holanda, Dinamarca, Noruega e Bulgária já haviam anunciado o feito.

De acordo com o jornal português "O Observador", o presidente do Infarmed, Rui Ivo, anunciou a recomendação para a "interrupção temporaria" do processo de vacinação da AstraZeneca no país, justificando a decisão por ser medida de "precaução em saúde pública". A suspeita de haver ligaçao entre os casos reportados de reações adversas com a vacina será avaliada em Portugal, segundo Ivo.

Henrique Gouveia e Melo, coordenador da força-tarefa para a vacinação contra a Covid-19 no país lusitano disse ao "Observador" que 200 mil doses de AstraZeneca permenecerão armanezadas até sair o resultado sobre sua segurança. Ele afirmou que 400 mil doses já foram distribuídas.

Mais de 373 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus foram administradas em todo o mundo. A da AstraZeneca, uma das mais baratas, é crucial para as nações mais pobres, mas na Europa vários países (também Irlanda, Holanda, Dinamarca, Noruega e Bulgária) suspenderam sua aplicação por medo de que ela provoque trombos, o que não foi comprovado.

Apesar de seus níveis de contágio de Covid-19 permanecerem elevados, Itália, França, Alemanha e Espanha aderiram, juntos nesta segunda, à medida por precaução.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) insistiu nesta segunda, porém, que essa vacina deve continuar a ser usada e anunciou que seus especialistas se reunirão na terça-feira para analisar a situação do imunizante.

— Não queremos que as pessoas entrem em pânico e, por enquanto, recomendamos que os países continuem a vacinar com a AstraZeneca — disse a cientista-chefe da instituição, Soumya Swaminathan.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) afirmou que vai realizar uma "reunião extraordinária" nesta quinta-feira sobre essa vacina, mas garantiu que seus benefícios ainda superaram os riscos.

O diretor do grupo de vacinas da Universidade de Oxford, Andrew Pollard, garantiu que "há evidências muito tranquilizadoras de que não há aumento no fenômeno de trombos aqui no Reino Unido, onde a maioria das doses da Europa foram administradas até agora".

Embora as campanhas de vacinação avancem, a ameaça do vírus persiste.

Na Itália, quase 40 milhões de pessoas iniciaram um novo confinamento nesta segunda devido ao aumento das infecções por variantes do coronavírus, com Roma e Milão desertas e divididas entre a tristeza e a esperança.

— Estou muito triste. Não esperava. Passar da zona amarela, com o café aberto, para a zona vermelha foi algo inesperado — confessa Ana Cedeño, do popular café e bar Cinque, no bairro de Trastevere, em Roma.

As medidas incluem o fechamento de escolas, restaurantes, estabelecimentos comerciais e museus em três quartos do país. Os italianos foram incentivados a permanecer em casa, exceto para trabalhar, procurar um médico, ou por motivos de causa maior.

Na Alemanha, onde o governo flexibilizou recentemente algumas restrições, a associação de médicos de unidades de terapia intensiva pediu o retorno "imediato" de medidas severas para enfrentar a terceira onda da pandemia

A França, que espera evitar outra quarentena nacional, tenta descongestionar as UTIs da região de Paris, saturadas com a alta de casos de covid-19. Pacientes devem ser transferidos para outras áreas do país por via aérea e de trem.

A pandemia de coronavírus matou mais de 2,6 milhões de pessoas em todo mundo, e a maior parte da humanidade está submetida a restrições, de maior ou menor nível, contra a Covid-19.

Portugal, que teve de impor um segundo confinamento geral em janeiro após a explosão de casos durante o Natal, reabriu nesta segunda creches, escolas, salões de beleza e livrarias, como parte de um plano de flexibilização gradual que prosseguirá até maio.

Por sua vez, a Rússia anunciou nesta segunda acordos de produção da vacina anticovid Sputnik V com empresas da Itália, Espanha, França e Alemanha, à espera de sua homologação na União Europeia (UE).

"Há outras conversas em curso para aumentar a produção na UE. Isso permitirá começar a abastecer o mercado único europeu com a Sputnik V, assim que a EMA aprovar", afirmou em comunicado o presidente do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), Kirill Dmitriev.

Até o momento, a EMA autorizou o uso de quatro vacinas: Pfizer-BioNTech, Moderna, AstraZeneca e Johnson & Johnson.

O imunizante da AstraZeneca constitui a maior parte das doses enviadas para países pobres por meio do programa Covax, apoiado pela OMS, para garantir a vacinação em todo o mundo. Na América Latina, quatro países receberam doses por meio desse sistema: Guatemala, El Salvador, Peru e Colômbia, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Os Estados Unidos também pisaram no acelerador e já administraram mais de 107 milhões de doses.

O país, o mais afetado pela pandemia com mais de 534.000 mortos, aplicou mais de dois milhões de doses por dia na semana passada, de acordo com os Centros de Controle de Doenças (CDC). Até o momento, 21% dos americanos receberam ao menos uma dose.

Itens relacionados (por tag)

  • A 100 dias da abertura, Tóquio-2020 ainda tem muitas dúvidas

    Depois de serem adiados em um ano por causa da pandemia do novo coronavírus, os preparativos para os Jogos Olímpicos de Tóquio entram em sua reta final faltando apenas 100 dias para a cerimônia de abertura. Devido à covid-19, os japoneses tiveram de fazer várias mudanças no planejamento inicial para evitar a disseminação da doença. As arenas estão prontas, mas a organização não foi concluída e várias perguntas continuam sem respostas.

    Após meses de especulação, os organizadores decidiram em março que apenas os torcedores japoneses ou estrangeiros que moram no país terão permissão para assistir in loco aos eventos olímpicos na tentativa de controlar o novo coronavírus. Ainda não está definida a quantidade de torcedores que poderão acompanhar cada competição. Não é intenção das autoridades ter ginásios lotados. A cerimônia de abertura será no dia 23 de julho.

    O governo japonês esperava atrair milhares de turistas durante os Jogos. Mas as autoridades concluíram que receber torcedores do exterior não seria possível, principalmente depois da detecção de variantes mais contagiosas do vírus em muitos países, entre eles o Brasil. Esta é a primeira edição dos Jogos em que é proibida a entrada de visitantes estrangeiros.

    Os organizadores terão de reembolsar cerca de 600 mil ingressos vendidos ao público do exterior. Pesquisas apontam que boa parte dos japoneses se opõe à realização dos Jogos neste ano. O temor é de que a Olimpíada possa provocar um agravamento da pandemia. A aceitação ao evento melhorou um pouco depois que foi vetada a entrada de estrangeiros.

    Ainda não foi anunciada qual medida será tomada em relação aos familiares dos atletas não japoneses. A tendência, no entanto, é de que eles sejam classificados como torcedores de outros países e, assim, também sejam proibidos de entrar no Japão durante os Jogos.

    O COI (Comitê Olímpico Internacional) também decidiu cortar drasticamente o número de credenciais para as comitivas de autoridades convidadas. Assim, as delegações terão de ser enxutas, com menos assessores do que o habitual.

    O presidente Jair Bolsonaro foi convidado para participar da cerimônia de abertura, mas, por causa da pandemia, não se sabe ainda se ele estará no Japão em julho.

    A questão da vacinação contra a covid-19 é outro ponto que tem gerado controvérsia. O COI está pedindo aos atletas que tomem a vacina contra a covid-19, se possível. Mas os imunizantes não são um requisito para participar da Olimpíada.

    Alguns países, como Israel, já admitiram que vão mandar competidores vacinados. Com o andamento da vacinação em muitos países, há a possibilidade de delegações inteiras serem vacinadas até a viagem. Os EUA, por exemplo, estão muito adiantados nesse processo. Mesmo os atletas vacinados terão de seguir os protocolos dos demais competidores durante a estadia em Tóquio.

    O Japão começou a dar suas primeiras vacinas contra a covid-19 em fevereiro. As autoridades sanitárias reconhecem que, até a Olimpíada, grande parte da população local ainda não estará imunizada.

    O Comitê Olímpico Norte-Coreano, por exemplo, informou que não participará dos Jogos de Tóquio. A Coreia do Norte é o primeiro país a anunciar que não enviará atletas ao Japão por causa da pandemia.

    No mês passado, o Comitê Olímpico Chinês se ofereceu para colocar à disposição vacinas para todos os atletas que forem a Tóquio, e o COI se comprometeu a cobrir os custos. O COI, inclusive, vai pagar por duas doses extras da vacina que poderão ser dadas para a população de cada país, de acordo com suas necessidades.

    O COB (Comitê Olímpico do Brasil) admitiu surpresa com o anúncio do COI e garante que sua intenção é respeitar o plano nacional de vacinação no País. O governo do Japão já anunciou que não participará do programa de vacinação patrocinado pelo COI.

    Além da pandemia, outro desafio do comitê organizador é usar os Jogos para aumentar a representação feminina na sociedade japonesa. O ex-presidente do órgão Yoshiro Mori renunciou ao cargo em fevereiro após dizer que as mulheres falam demais nas reuniões. A nova presidente, Seiko Hashimoto, assumiu com a meta de aumentar a igualdade de gênero na diretoria executiva e usar o órgão como exemplo nacional.

    "O mundo está assistindo e o comitê tem de agir rapidamente em relação à igualdade de gênero, diversidade e inclusão, para que isso leve a uma reforma governamental e social. Vejo como uma oportunidade de mudar o preconceito inconsciente e mudar a mentalidade de toda a nação", disse Seiko Hashimoto.

    Vagas

    O adiamento levantou vários pontos de interrogação com relação à classificação dos atletas. A Olimpíada vai reunir mais de 11 mil competidores de mais de 200 países. O COB estima que a delegação brasileira deverá ter entre 270 e 300 atletas. No momento, o Brasil tem 200 vagas garantidas. Para efeito de comparação, cerca de 600 atletas dos EUA, a maior potência olímpica do planeta, devem se classificar para os Jogos.

    Muitas seletivas foram adiadas ou canceladas em meio à pandemia. A classificação de vários atletas permanece indefinida depois que a Federação Internacional de Natação anunciou a suspensão da Copa do Mundo - Pré-Olímpico de Saltos Ornamentais, o Pré-Olímpico de Nado Artístico e a seletiva de maratona aquática Todos os eventos seriam realizados no Japão e tiveram de ser adiados.

    Eventos-teste dos Jogos também têm sido cancelados. Uma competição de polo aquático, por exemplo, não foi realizada porque árbitros não foram autorizados a entrar no Japão.

  • Morre o Príncipe Philip, marido da Rainha Elizabeth II, aos 99 anos

    Foi anunciada, na manhã desta sexta-feira (9), a morte do Príncipe Philip, da Inglaterra, marido da rainha Elizabeth II. A causa da morte ainda não foi revelada. Phillip tinha 99 anos e completaria 100 em junho.

    "É com profunda tristeza que Sua Majestade a Rainha anunciou a morte de seu amado marido, Sua Alteza Real, o Príncipe Philip, Duque de Edimburgo. Sua Alteza Real faleceu pacificamente esta manhã no Castelo de Windsor", escreveu o perfil oficial da família real britânica no Twitter.

    Em fevereiro, Philip foi internado na Inglaterra após um mal estar. Ele passou por uma cirurgia cardíaca e ficou um mês internado, recebendo alta no dia 16 de março.

    Leia mais: o dia em que a Rainha Elizabeth veio para Salvador

    Philip e Elizabeth se casaram em 1947, cinco anos antes dela se tornar rainha. Eles tiveram quatro filhos, oito netos e 10 bisnetos.

    Saúde frágil
    A saúde do príncipe Philip vinha se deteriorando lentamente há alguns anos. Em maio de 2017, ele anunciou que estava renunciando dos compromissos reais. Na oportunidade, o membro da realeza brincou que não consegua mais se levantar.

    A última aparição oficial dele foi no final daquele ano, durante um desfile da Marinha Real no pátio do Palácio de Buckingham.

    Desde então, o príncipe raramente foi visto em público, passando a maior parte de seu tempo dentro de casa.

    Em 2019, o duque passou quatro noites em um hospital de Londres para observação e tratamento de uma "condição pré-existente".

    Apesar de viver em silêncio, longe dos olhos do público, ele ganhou as manchetes quando se envolveu em um acidente de carro em janeiro de 2019.

  • Pfizer diz que sua vacina contra covid é 100% eficaz para faixa de 12 a 15 anos

    A Pfizer anunciou nesta terça-feira, 31, que sua vacina contra a covid-19 desenvolvida junto à BioNTech é 100% eficaz para adolescentes de 12 a 15 anos. Por isso, os laboratórios, nas próximas semanas, vão solicitar à Agência de Alimentos e Drogas (FDA, na sigla em inglês) e à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) autorização para uso do imunizante na faixa etária agora testada.

    "Compartilhamos a urgência de expandir a autorização de nossa vacina para uso em populações mais jovens e somos encorajados pelos dados de ensaios clínicos de adolescentes com idades entre 12 e 15 anos", diz Albert Bourla, presidente e CEO da Pfizer, em nota. "Planejamos enviar esses dados ao FDA como uma emenda proposta à nossa autorização de uso emergencial nas próximas semanas e a outros reguladores em todo o mundo, com a esperança de começar a vacinar essa faixa etária antes do início do próximo ano letivo", acrescenta.

    De acordo com o comunicado disponibilizado à imprensa, o ensaio com adolescentes de 12 a 15 anos envolveu 2.260 pessoas. Delas, 1.129 foram do chamado grupo de placebo, com 18 confirmações de covid-19. No grupo vacinado, com 1,131 adolescentes, ninguém contraiu a doença. Os efeitos colaterais relatados foram "geralmente consistentes" com aqueles observados em participantes de 16 a 25 anos de idade.

    A vacina contra o novo coronavírus da Pfizer em parceria com a BionNTech é a única a ter autorização para uso definitivo no Brasil, mas, até o momento nenhuma dose do imunizante foi administrada no País. Nos Estados Unidos, o laboratório tem autorização apenas de uso emergencial.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Ad2