Quinta, 02 Dezembro 2021 | Login
Bahia com Tudo

Bahia com Tudo

O número de atrasados em tomar a segunda dose da vacina contra a covid-19 só cresce em Salvador. Agora, são cerca de 200 mil pessoas que já poderiam ter concluído a imunização, mas ainda não o fizeram, segundo o prefeito Bruno Reis.

Por causa disso, ele avalia sancionar o projeto de lei que já foi aprovado pela Câmara Municipal e que obriga que os servidores municipais se vacinem. "Tem um projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal que obriga a vacinação dos servidores. Eu ainda estou avaliando o que irei fazer. Vocês conhecem a minha forma de trabalhar. A imposição é sempre a última medida", explicou o prefeito, nesta quarta-feira (27).

No entanto, a prefeitura está analisando outras possibilidades para estimular a vacinação na cidade. "Amanhã vamos lançar uma parceria com o comércio para estimular a vacinação da segunda dose em Salvador. Prefiro ir na linha de induzir, de estimular, para depois impor qualquer medida", completou.

O Arrastão da 2ª Dose, realizado na segunda (25) e terça (26) imunizou apenas 50 mil pessoas, abaixo do que era esperado. "Ontem poderíamos ter vacinado 100% dos adultos em nossa cidade e vacinamos 50 mil. Temos um universo de mais de 200 mil que não voltaram para a segunda dose".

Se este número não for reduzido, o prefeito analise impor medidas ao longo do mês de novembro. "Caso não haja adesão de forma espontânea, o senso de responsabilidade, eu não descarto sancionar esse projeto e adotar outras medidas para estimular a vacinação em nossa cidade".

Projeto de lei
O projeto de lei 280/2021 é de autoria do presidente da Casa, Geraldo Júnior (MDB), e foi aprovado no dia 14 de setembro. Segundo o projeto, o servidor ou agente que não comprovar a vacinação fica proibido de exercer função pública direta e indiretamente no município de Salvador por 8 anos.

A proposição determina que a obrigatoriedade da vacina estende-se à “servidores públicos efetivos, comissionados e temporários, de atividades essenciais e não essenciais lotados em órgãos da administração pública direta e indireta, empresas públicas, agências reguladoras, representações, entidades e instituições públicas”. E determina que os servidores e agentes privados deverão se imunizar cumprindo o calendário previsto no Plano Estadual de Vacinação.

O projeto estabelece que o cumprimento do processo de vacinação deve ser comprovado pelos trabalhadores a seus superiores hierárquicos, mediante a apresentação do cartão de vacinação devidamente preenchido. Os servidores ou terceirizados que não comprovarem a vacinação também pagarão uma multa que será estabelecida quando a Prefeitura de Salvador realizar a regulamentação da lei.

Um acidente entre três caminhões deixou cinco pessoas mortas e uma ferida, na noite desta terça-feira (26), na BR-367, em Porto Seguro, no sul da Bahia.

A colisão aconteceu na altura do KM 42, segundo a Polícia Rodoviária Federal. Um caminhão de lixo ultrapassou outro veículo e ao voltar para sua faixa bateu na frente do veículo ultrapassado. Ele então invadiu a faixa oposta e se chocou frontalmente com outro caminhão, que levava uma carga de mamão.

Após a batida, começou um incêndio. Uma equipe do 6º Grupamento de Bombeiros Militar (GBM/Porto Seguro) foi até o local para combater as chamas. Os corpos dos cinco mortos já foram removidos carbonizados.

Para ter acesso às vítimas, os bombeiros utilizaram um conjunto desencarcerador.A sexta vítima do acidente foi resgatada com vida e foi atendida no local pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), sendo levada depois para uma unidade de saúde.

Os mortos foram identificados como David Barbosa de Souza, de 21 anos, Adriano Monteiro, de 37 anos, Wagner Bispo dos Santos, de 34 anos, Evandro Conceição de Aquino, de 26 anos e Cleone Figueiredo do Rosário, de 34 anos.

 

Os pais da pequena Liz, Lore Improta e Léo Santana, comemoraram o primeiro mês completo da filha, que nasceu no dia 26 de setembro, em Salvador. Liz nasceu de parto normal realizado no Hospital Português, saudável, pesando 2.8 kg e medindo 48 cm.

Na manhã desta terça-feira (26), Lore publicou uma mensagem para a bebê. “Há um mês eu descobri o verdadeiro significado do amor. O mais genuíno, sagrado e absoluto. De tirar o fôlego, colocar no eixo e me dar uma razão. Há um mês descobri um mundo completamente diferente. Um mundo que faz sentido! Feliz vida, filha. Sempre. Obrigada por construir uma família comigo. Léo Santana te amo”, declarou.

Mais tarde, no mesmo dia, a mamãe ainda postou fotos da festinha de ‘mêsversário’ de Liz, com a presença de familiares. 

O novo Hospital Público Veterinário de Salvador deve ficar pronto no segundo semestre do ano que vem, ao menos essa é a expectativa da prefeitura. A licitação que vai selecionar a empresa responsável pela construção da nova unidade de saúde está em fase final. O Município recebeu as propostas dos interessados na semana passada.

Durante a entrega da nova Avenida Adhemar de Barros, em Ondina, nesta terça-feira (26), o prefeito Bruno Reis comentou sobre o caso. “Nós realizamos a licitação e assim que ela for concluída, que uma empresa for selecionada, vamos iniciar a obra. Não havendo recursos, nós vamos homologar e dar ordem de serviço”, afirmou.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS), recebeu, na sexta-feira (22), as propostas das empresas especializadas interessadas em participar da licitação para construção do primeiro Hospital Público Veterinário da capital baiana. No total, deverão ser investidos R$ 6,6 milhões para implantação do equipamento.

“Podemos iniciar a obra em novembro, depende apenas das questões burocráticas e dos prazos legais de uma licitação. Depois vamos selecionar uma instituição para a operação”, disse.

A unidade deve atender prioritariamente os animais domésticos de propriedade da população mais pobre ou que não possui recursos financeiros para pagar atendimento e serviços de um veterinário particular. O hospital funcionará na Avenida Artêmio Castro Valente, em Canabrava, próximo ao Barradão.

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão do desembargador Jesuíno Rissato de não conceder prisão domiciliar humanitária para o ex-médico Roger Abdelmassih. O benefício havia sido cassado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). Abdelmassih foi condenado a 278 anos de prisão por estupro e atentado ao pudor contra mais de 70 pacientes.

O entendimento da Quinta Turma do STJ é que não há qualquer situação excepcional que impeça Abdelmassih de cumprir sua pena na penitenciária e que, em caso de uma futura internação, ele poderá receber tratamento médico na unidade prisional ou em hospital de custódia. Para Rissato, relator do caso, o ex-médico "poderá ser submetido a tratamento em hospital de custódia ou outro, mediante escolta, como qualquer outro apenado nas mesmas condições ou mesmo tal qual aconteceria se em domicílio estivesse".

Com o habeas corpus, a defesa buscava o restabelecimento da prisão domiciliar humanitária, antes concedida ao ex-médico, alegando que o condenado enfrenta graves problemas de saúde e que o presídio não teria assistência médica adequada para tratá-lo. No recurso, alegou que o paciente é "portador de insuficiência cardíaca crônica e a unidade prisional não teria condições de fornecer tratamento médico ou de socorrer o apenado em casa de urgência". A Corte de origem concluiu que não houve comprovação dos fatos alegados.

"No que atine ao estado de saúde do paciente, tem-se que nem mesmo as comorbidades que o acometem teriam o condão de alterar o já exposto, vez que a efetiva presença/existência de assistência médica no local onde cumpre pena afasta a possibilidade de deferimento do pedido de prisão domiciliar", ressalta o relator na decisão.

A defesa sustentou, ainda, que embora a pena do ex-médico seja em regime fechado, a concessão da prisão domiciliar não violaria o artigo 112 da Lei de Execução Penal, que prioriza os princípios da dignidade da pessoa humana e da razoabilidade.

O magistrado observou que Abdelmassih não atende aos requisitos exigidos para obter o benefício, destinado àqueles que cumprem pena em regime aberto. "Como também observado pela origem, desde já, deve-se esclarecer que o paciente não cumpre sequer o primeiro requisito legalmente exigido: o de estar cumprindo pena em regime aberto", concluiu o relator.

O escritório brasiliense de advocacia Galvão & Silva, que atende clientes nacionais e internacionais em 16 áreas do direito, teve um aumento súbito de até 386% no volume de consultas por divórcio.

Só que isso, não ao longo de 2020, como a imprensa veio registrando: esse salto acontece agora, desde maio último.

O aumento das separações na pandemia já foi abordado inclusive pela Folha de S.Paulo. Um desdobramento a ser melhor explorado, entretanto, é esse aumento atual das consultas a advogados especialistas – e uma segunda onda de rompimentos que ele sinaliza.

Este aspecto chamou a atenção do especialista Daniel Silva, 35 anos e sócio do Galvão & Silva. “Esse aumento reflete o grau atingido pelos conflitos e a severidade das possíveis consequências”, afirma, referindo-se tanto a filhos, quanto a patrimônio.

Mais separações: uma das razões do inédito déficit de bebês
Um levantamento do assunto divórcio como motivo dos contatos na plataforma de automação de atendimento (CRM) do Galvão & Silva entre outubro de 2019 – praticamente no último trimestre pré-pandemia – e julho de 2021 aponta que a média simples até abril deste ano foi de 30 contatos com o tema das separações (veja gráfico).

Já o recente trimestre maio/ junho/ julho marcou uma guinada súbita para cima. Seu registro médio mensal foi três vezes (300%) superior à baliza anterior.

Julho distanciou-se mais ainda da média dos 19 meses anteriores: foi quase quatro vezes (386%) o índice deles.

Reportagens sobre esse crescimento dos divórcios apontam sérias consequências demográficas.

A BBC, por exemplo, informa déficit inédito de 300 mil nascimentos no Brasil em 2020, provocado pelos divórcios, entre outros fatores.

O fato foi exposto pela CNN como o menor número de novos bebês em quase 30 anos num país em que este índice esteve sempre em expansão.

“Infidelidade, falta de paciência, traição”
Os conflitos gerados pelo confinamento forçado são apontados genericamente como a causa óbvia desse aumento de consultas por divórcio pelo especialista Silva.

“Essa convivência prolongada gerou não só novos desentendimentos, como ainda agravou o que já não vinha se encaixando na vida de alguns casais”, relata.

O advogado não tem números sobre os gatilhos específicos dos rompimentos. Diz que, profissionalmente, evita se aprofundar no lado mais pessoal.

Mas Silva tem o inventário impressionista desses motivos: “Infidelidade, falta de paciência, de resiliência na situação difícil, traição.” Ele mesmo observa de imediato que, na verdade, repetiu um mesmo motivo sob nomes diferentes: “infidelidade” e “traição”.

Mediação inclui lista testada de o que fazer, inclusive com filhos
Quanto mais aguda for a separação, maior a necessidade do advogado – e de este cumprir o papel de mediador, lembra Silva.

Se o contato com a outra parte puder se dar mediante outro advogado, melhor ainda.

O profissional aconselha:

● Conciliação: “Deixar para o juiz decidir pode ficar mal para um ou até para os dois.”

● Guarda compartilhada dos filhos: “Já é praxe. O casal fica incumbido de se organizar.”

O que evitar:

● Guarda alternada dos filhos: “Estudos demonstram: prejudica. Menor precisa de referência.”

● Evitar falar mal do ex para filhos: “É a tal alienação parental: o mais prejudicado é o menor.”

● Dilapidar patrimônio: “Acontece mais em caso de traição.”

Uma operação conjunta do Ministério Público Estadual (MPRJ), da Polícia Civil e da Corregedoria da Polícia Militar do Rio de Janeiro prendeu hoje (22) um vereador de Duque de Caxias e dois policiais militares. Eles são acusados de agiotagem e extorsão. O parlamentar também estaria envolvido com lavagem de dinheiro e fraude em licitação.

A operação Barreira Petrópolis também cumpre 17 mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos acusados. Bens imóveis e recursos financeiros do vereador também tiveram o sequestro determinado pela Justiça.

De acordo com o MPRJ, o parlamentar emprestava dinheiro a pessoas físicas e exigia pagamento de juros mensais. Para um empréstimo de R$ 1 milhão para um empresário do ramo de venda de automóveis, por exemplo, foi exigido pagamento de R$ 35 mil apenas a título de juros mensais.

Ameaça de morte
Ainda segundo o MPRJ, como o empresário não conseguiu honrar o compromisso assumido, o vereador acionou os dois policiais para ameaçá-lo de morte.

O mesmo vereador também é acusado de ser sócio de uma empresa que manteve contratos governamentais entre 2013 e 2016, a partir de uma licitação fraudada. Outras empresas que mantinham contratos governamentais também são suspeitas de repassar recursos para a empresa do parlamentar.

Segundo o MPRJ, as investigações mostraram que o vereador também dissimulou a origem de R$ 62 milhões provenientes das práticas criminosas. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados.

O sonho da cozinheira Arlene Oliveira, 51 anos, é viver da venda de bolos. Porém, com o aumento nos preços dos alimentos, gás e energia, seu faturamento diminuiu e hoje ela busca um emprego temporário no Natal. “Quero essa oportunidade para sustentar a casa ou até conseguir o dinheiro necessário para investir no meu negócio”, explica. Comparado com o ano passado, Arlene vai ter mais facilidade de encontrar um emprego. É que a Bahia terá 23% a mais de vagas de trabalho temporário neste Natal, de acordo com previsão da Federação do Comércio do Estado da Bahia (Fecomercio)..

No total, serão 3.049 vagas frente às 2.476 registradas no ano passado. Se a previsão deste ano for concretizada, apesar de ainda estarmos numa pandemia, esse será o terceiro melhor Natal desde 2014, perdendo apenas para os anos de 2018 e 2019. Para o presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Bahia (ABRH-BA), Wladmir Martins, o surgimento dessas vagas temporárias tem relação com a própria crise sanitária.

“A gente está vindo de um momento difícil da economia por conta da pandemia. Houve uma retração, o que gerou uma demanda reprimida que está sendo liberada agora. As empresas estão cada vez mais voltando a trabalhar dentro de uma normalidade e isso acelera a economia”, explica.

Entre os segmentos, ainda de acordo com a previsão da Fecomercio, os hiper e supermercados devem ser os que mais vão empregar temporariamente, com 1.239 vagas. “Os supermercados costumam ter demanda maior em períodos que antecedem as festas, com a maior busca por bebidas e alimentação. Fora o fato de que essas empresas hoje oferecem diversos produtos, como brinquedos e eletrodomésticos, o que estão ligados com as festas de final de ano. Tudo isso gera essa demanda”, aponta Martins.

Dentre os mercados que devem abrir vagas temporárias, o Hiperideal diz que costuma ter, no período do Natal, um aumento em 10% de vagas temporárias nas lojas da cidade. “E nas unidades de praia é ainda maior, podendo chegar até 20%”, calcula a empresa, em nota. A reportagem também tentou contato com a Perini, G Barbosa, Mercantil Rodrigues e Atakarejo, mas não obteve retorno até o fechamento do texto. Já o Grupo Big, que é dono das marcas Maxxi, Big Bompreço, Super Bompreço, Sams e TodoDia, disse não poder participar dessa pauta.

Setor de vestuário, calçados e utilidades domésticas também estarão em alta
Não serão apenas os mercados que vão gerar novas vagas temporárias. Segundo a previsão da Fecomercio, o setor de vestuário e calçados deve gerar 535 postos de trabalhos finitos no Natal, seguido do setor de utilidades domésticas, com 488 vagas. Todos os demais seguimentos devem ter 788 vagas, o que completa as 3.049 oportunidades de emprego previstas. A reportagem pediu à Fecomercio uma fonte que pudesse comentar sobre esse estudo, mas não obteve sucesso.

Varejista de brinquedos, a Ri Happy deve ter vagas temporárias no Natal, mas ainda não definiu a quantidade e nem a previsão de quando serão lançadas. Para o Dia das Crianças deste ano, a empresa também abriu vagas temporárias. Foram 2.400 oportunidades em todo o Brasil, sendo 66 na Bahia. Destas, 11 vagas foram na unidade de Lauro de Freitas, aberta há apenas seis meses.

“Historicamente, as vagas do Natal também costumam ser preenchidas por quem esteve conosco no Dia das Crianças”, diz a assessoria da empresa. No entanto, como a quantidade de vagas temporárias no Natal costumam ser maior do que no Dia das Crianças, é bom ficar de olho numa oportunidade. A operadora de caixa Luciene Guimarães Souza, 29 anos, começou assim na Ri Happy. Em 2016, surgiu uma vaga temporária no Dia das Crianças. No mesmo ano, ela trabalhou no Natal. Dois meses depois, ela foi contratada de forma definitiva para a unidade do Salvador Shopping.

“O gerente disse que tinha gostado do meu desempenho e perguntou se eu teria interesse em voltar, caso surgisse uma vaga. Logo em janeiro ele me ligou informando que a vaga tinha aparecido. Eu tinha acabado de fazer uma cirurgia e voltei a trabalhar com um mês de operada, no tempo certinho permitido pelo médico. Acho que foi meu empenho, dedicação e o jeito de tratar os clientes que chamou a atenção do pessoal. Eu dei o meu melhor para isso”, revela.

Com a abertura da unidade em Lauro de Freitas, Luciene, que mora na cidade da Região Metropolitana de Salvador (RMS), acabou sendo transferida para o local, mais perto da sua casa. “Hoje estou há cinco anos na empresa. Primeiro como auxiliar de caixa e agora como efetivo. Quem sabe, no futuro, não possa virar uma assistente ou até mesmo gerente. A empresa sempre abre oportunidades para a gente mostrar nosso talento. Só precisamos aproveitar”, conta.

Paulo Motta, presidente do Sindicato de Lojistas (Sindlojas), também está esperançoso pelo aumento de vagas temporárias no Natal de 2021. “Temos expectativa positiva quanto a contratação temporária para esse último trimestre, principalmente com o regular funcionamento do comércio. Prevemos 5 mil empregos temporários no estado”, disse. No entanto, isso ainda é a metade das 10 mil vagas temporárias obtidas em 2019, segundo o sindicalista.

A nível nacional, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) prevê a maior oferta de vagas temporárias para os últimos oito anos. A estimativa é que, no Natal, surjam 94,2 mil empregos temporários. A entidade prevê ainda aumento de 3,8% nas vendas natalinas, em comparação com o ano passado. O superintendente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Salvador (CDL Salvador), Silvio Correa, e as empresas Americanas e Le Biscuit também foram contactadas, mas não deram retorno até o fechamento do texto.

Para especialista em RH, vaga temporária é oportunidade para ser efetivado
O presidente da ABRH-BA, Wladmir Martins, defende que o trabalhador que seja contratado para uma vaga temporária possa dar o seu melhor para que isso se torne um emprego definitivo. “Vaga precisa de foco. Procure focar no que você quer, pois você tem a oportunidade de ser contratado definitivamente. Se você conseguir algo temporário, dê o seu melhor, todo o seu potencial”, explica. Segundo Martins, as vagas temporárias tem o objetivo de suprimir uma demanda concentrada em determinados períodos do ano.

“Mas eu vejo muitas empresas utilizarem o temporário para selecionar alguns e efetivarem. É como se fosse um período de experiência. É por isso que o trabalhador não pode ver como algo sem futuro e dedicar pouca energia. Pelo contrário, tem que mostrar interesse, o que tem de melhor e as suas competências. Muitas vezes essa contratação não vem imediatamente, mas logo depois o funcionário pode ser chamado”, explica.

Para quem está desempregado e procura uma oportunidade dessa, a dica do especialista é ficar de olho justamente nas empresas que costumam ofertar mais vagas temporárias. “Normalmente, essas oportunidades estão em plataformas de distribuição de vagas. Só é preciso tomar cuidado para não usar uma plataforma falsa. Procure também ir presencialmente nesses locais onde há captação de serviços, visite o comércio, descubra onde é o setor de contratação, distribua currículos. É estar presente onde vão surgir as vagas”, diz.

A cozinheira Arlene Oliveira, que você conheceu no início da reportagem, diz estar fazendo justamente isso. “Não é exagero não. Já enviei muitos currículos, estou de olho nas vagas divulgadas nos jornais, tenho cadastro nas empresas... tudo que eu quero na vida é aproveitar uma oportunidade dessa”, relata.

A decisão de Tiago Leifert de deixar o "The Voice Brasil", da TV Globo, de forma antecipada pegou os fãs de surpresa. Após a confirmação da emissora, o apresentador foi até o Instagram para explicar a escolha.

"Olá pessoal! Minha família precisa de mim em São Paulo nas próximas semanas e, por isso, com coração partido, tem mudança de planos. Meu amigo querido André Marques assume o 'The Voice' na segunda fase do programa. Na primeira (fase) ainda estou lá, estreamos dia 26 de outubro. Em breve conversamos mais", completou o apresentador reforçando a presença nas "audições às cegas".

Já em entrevista ao GNT no YouTube, que foi ao ar hoje à noite, o apresentador afirmou que não foi fácil construir sua carreira na TV. "Não me fez bem [passar do ponto], eu me sacrifiquei por muitos anos".

"Essa mistura de lazer e trabalho cansa. O que mais pegou para mim foi o negócio de ser multitarefas. Eu estou pirando com isso, esse negócio de produtividade", disse.

No papo, ele ainda admite que não se vê seguindo a vida que tinha antes. "Funcionou por uma parte da minha vida, mas eu não sei se hoje eu vou ser mais produtivo se eu me sacrificar desse jeito de novo".

 

Mariana Ferrer poderá voltar a postar sobre processo criminal no qual acusa André de Camargo Aranha de estupro de vulnerável. A Justiça de São Paulo derrubou a liminar que obrigou a influenciadora a apagar mensagens antigas sobre o caso e realizar novas. As informações são da colunista Mônica Bergamo, da Folha.

Na época da liminar, a defesa do réu alegou que as publicações de Mariana trariam "informações confidenciais", atacariam a "honra e a imagem do agravante" e seriam um "abuso no exercício do direito à liberdade de expressão", "haja vista a divulgação e exposição no perfil, do processo criminal que corre contra o autor, (...) bem como exposição da qualificação e imagem do autor como ESTUPRADOR [destaque em letras maiúsculas feito pelos advogados]."

Em novembro do ano passado, a justiça acabou aceitando a solicitação. Contudo, o juiz Luiz Henrique Lorey chegou a um novo parecer. Ele diz que há contradição no pedido de censura, já que a defesa de André Camargo havia impetrado habeas corpus pedindo levantamento do sigilo do processo.

Mariana Ferrer poderá falar do caso, seja no Instagram ou no Twitter, contanto que não divulgue nenhuma peça do processo criminal sob sigilo.

“Eventual excesso em postagens nas redes sociais possibilitam a promoção de demandas autônomas, objetivando compensação financeira em razão de eventuais ofensas cometidas, não cabendo ao Poder Judiciário, a princípio, a limitação indevida do direito democrático de livre manifestação”, escreve o magistrado. André Camargo pode recorrer da decisão.