Sexta, 21 Janeiro 2022 | Login
Festival de cancelamentos: setor de eventos já sente impacto com novo decreto

Festival de cancelamentos: setor de eventos já sente impacto com novo decreto

A Bahia vive uma alta de casos de covid-19 que, associados à gripe e à flurona, tem lotado todas as unidades de atendimento médico no estado e preocupado gestores. Por isso, nessa segunda-feira (10), o governador Rui Costa (PT) anunciou medidas para frear o avanço do vírus. Os eventos, que antes podiam receber 5 mil pessoas, só poderão ser realizados com até 3 mil, no máximo.

Nos estádios, teatros e cinemas, também houve mudança, reduzindo a capacidade máxima para 50%. Já bares e restaurantes poderão funcionar com capacidade máxima, mas exigindo comprovante de vacinação.

Em entrevista à TV Bahia, Rui disse que há um pré-colapso no sistema de saúde nas emergências das UPAs e emergências estaduais.

"Tomamos essas decisões baseados nisso e no grande crescimento do número de casos ativos. Esses serão os dois indicadores que iremos monitorar: o percentual e a situação das UPAs e postos de saúde. Além, claro, dos casos ativos [que hoje são 4.499”, informou.

Descontentamento
Associações ligadas aos eventos afirmaram que o impacto da restrição será grande, já que a medida entra em vigor no período em que há alta no número de atrações culturais. Moacyr Villas Boas, presidente da Associação Baiana das Produtoras de Eventos (Abape), afirma que a previsão não é nada animadora.

"O impacto é devastador, várias festas já estão anunciando adiamentos e cancelamentos. A reação é imediata porque, com essa quantidade de público, muitos eventos passam a ter a realização inviável por motivos financeiros", declara Villas Boas.

Ainda segundo o presidente, não se sabe ainda um número exato de cancelamentos por conta da medida (veja lista abaixo).

"O Verão 2022, que aconteceu com Nando Reis no último final de semana e ia acontecer com Baiana System e Pitty, foi cancelado. O de Geraldo Azevedo e Chico César já estamos estudando o cancelamento. Vai vir uma porrada de vários outros, com certeza dezenas de grandes eventos vão deixar de acontecer", garante.

Presidente da Associação de Profissionais de Eventos (APE), Adriano Malvar, preferiu não comentar a redução, mas criticou o que chamou de descaso da gestão estadual com os profissionais de eventos que seguem sem assistência durante a pandemia.

“Estávamos na esperança de que, após resolver o problema dos empresários com eventos de 5 mil pessoas, ele [Rui] fosse olhar para nós, pequenos, com um auxílio, um suporte ou algo assim. Vejo que esse governo vai de mal a pior, principalmente com o setor cultural”, reclama.

Acerto técnico
Para o infectologista Matheus Todt, a redução de público é necessária, apesar de não se tratar ainda da medida ideal para combater o crescimento de casos.

"Há um pico de casos compatível com uma nova onda. O certo seria não haver nenhum evento que pudesse ter aglomeração. Limitar a capacidade é melhor que nada, mas não é ideal em um cenário como este", fala o infectologista, citando o surto de gripe e casos de flurona que estouram em paralelo com o crescimento dos casos de covid-19.

Todt diz ainda que outros setores da economia precisariam voltar a ter restrições para atenuar o alastramento do vírus entre os baianos.

"Principalmente em bares e restaurantes que têm pessoas próximas e sem máscara, poderia haver mais restrições. Além da cobrança de passaporte da vacina, voltar a ter uma redução na ocupação máxima seria prudente", alerta.

Carnaval sem festa
A Bahia poderá ter ainda mais restrições se os casos continuarem aumentando. Após anunciar as medidas, o governador Rui Costa afirmou que o estado pode proibir a realização de eventos de qualquer natureza em fevereiro.

"Nós não teremos Carnaval e se continuar nesse ritmo, nem festa particular haverá. Mantenho a recomendação de dezembro para que a população não compre essas festas", disse o governador.

Apesar da distância para o feriado de Carnaval, Matheus Todt acredita que é provável que essa medida seja mesmo necessária no período, pelo que mostra a curva de casos.

"Eu vejo isso como uma possibilidade muito grande, nós estamos caminhando para um outro pico de casos, uma nova onda. É uma tendência de aumento que, se mantida, inviabiliza uma realização segura de eventos no período", conclui.

Veja lista de eventos cancelados e adiados:

Cancelados

Pier Sound - Sorriso Maroto e Pagodart - 8 de janeiro
Feijão do Casarão - Batifun - 8 de janeiro
Verão da Osba - 8 e 9 janeiro
Bonfim de Tarde - Bell Marques e Xanddy - 13 de janeiro
Baile da Santinha In the Park - 14 e 21 de janeiro

Adiados

Pranchão - Durval Lelys e Saulo - 8 de janeiro
Baile Pierrot - Bailinho de Quinta, Gerônimo e Fanfarra Pierrot - 8 de janeiro
Biergarten - Os Myfriends, Dj Secretinho, Vini e Magary - 8 de janeiro
Ensaio da Timbalada - 9 de janeiro
Festa Magia - Luiz Caldas e Zeca Baleiro - 15 de janeiro
Circuito Verão 2022 - Larissa Luz, Baiana System e Pitty - 15 de janeiro
Circuito Verão 2022 - Titãs e Jota Quest - 22 de janeiro
Axezin, com Alexandre Peixe - 15 de janeiro
Violivoz, com Chico César e Geraldo Azevedo - 14, 15 e 16 de janeiro
Lulu Santos - 13 de fevereiro

Itens relacionados (por tag)

  • Bahia é o segundo maior produtor de gemas fascina do país

    A beleza das gemas fascina e encanta milhares de pessoas pelo mundo e o Brasil possui grande destaque neste setor. Atualmente o país é reconhecido como um dos mais importantes pólos de gemas do planeta, ocupando a primeira posição entre os países latino-americanos na produção e comercialização desse bem mineral sob a forma bruta. Já a Bahia, dados de 2015 da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE), mostram que o estado detém a segunda maior reserva de gemas do país, ficando atrás apenas de Minas Gerais.

    Ainda de acordo com a SDE, a Bahia é o primeiro produtor de diamantes em kimberlitos (extraído na rocha matriz), o segundo maior produtor de esmeralda e o principal produtor de quartzo rutilado do Brasil. Grande parte da produção do estado é voltada especialmente para o mercado externo, tendo como principais setores de consumo a indústria de lapidação e a joalheria.

    O diamante, por exemplo, uma das pedras mais cobiçadas para a fabricação de joias e também considerado o material mais duro do mundo é encontrado na cidade de Nordestina, e produzido pela empresa Lipari Mineração. A Mina Braúna é considerada a primeira mina de diamantes da América do Sul desenvolvida em depósito kimberlítico, rocha fonte primária de diamante.

    A mina entrou em operação comercial em julho de 2016 e atualmente é a maior produtora de diamantes do Brasil. A empresa é responsável por mais de 80% da produção nacional, em termos de volume, que seguem os trâmites do Sistema de Certificação Processo Kimberley (SCPK), certificação internacional que estabelece os requisitos para controlar a produção e o comércio internacional de diamantes brutos.

    Para os próximos três anos, a SDE informa que a Lipari prevê novos investimentos na região. Estima-se que algo na ordem US$5.5 milhões (cerca de R$29 milhões) seja destinado a estudos de viabilidade da mina subterrânea e pesquisa mineral em novas áreas.

    Outro grande destaque na produção de gemas é a Cooperativa Mineral da Bahia (CMB). Situada na Serra de Carnaíba, em Pindobaçu, a cooperativa é responsável pela produção de esmeraldas, que assim como o diamante, é uma das gemas mais valiosas do mundo. Fundada em 2006, a Cooperativa possui uma Permissão Lavra Garimpeira (PLG). Os requerimentos minerários concentram-se em Pindobaçu, mas se estendem parcialmente pelos municípios de Saúde e Mirangaba.

    De acordo com o presidente da CMB, Humberto Meneses, “o garimpo da Carnaíba não é importante apenas para as comunidades localizadas na cadeia de montanhas da área da lavra garimpeira. Sua importância ultrapassa os limites territoriais do município de Pindobaçu e movimenta a economia de outras cidades, a exemplo de Campo Formoso, que sobrevive direta ou indiretamente das esmeraldas retiradas do subsolo da Carnaíba, as quais são transformadas em joias”, destaca.

    Conforme a CMB, cerca de 8 mil pessoas da região de Pindobacu estão ligadas diretamente às atividades de mineração e mais de 2.000 pessoas trabalham diretamente na extração de pedras preciosas. Além disso, milhares de outras pessoas da região são beneficiadas indiretamente pela extração de esmeraldas.

    Para o presidente da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), Antonio Carlos Tramm, a riqueza mineral da Bahia é um dos motivos para que o estado esteja a cada ano ganhando mais destaque no setor. “Possuímos uma diversidade mineral muito grande e de qualidade. A liderança na produção nacional de diamantes e a vice-liderança na produção de esmeraldas são exemplo dessa riqueza e que só tendem a melhorar nos próximos anos. A CBPM, por exemplo, concluiu no final do ano passado uma licitação de sucesso para a pesquisa e exploração de esmeraldas, também em Pindobaçu, e que provavelmente irá ampliar a produção do estado”, ressalta.

  • Surto de gripe e covid-19 afastam doadores dos postos de coleta de sangue

    A Fundação Hemoba tem sofrido o impacto no movimento de doadores de sangue devido ao aumento nos casos de infecções por covid-19 e por gripe influenza na Bahia. As contaminações tornam os doadores inaptos à doação por um determinado período. A inaptidão por gripe, por exemplo, aumentou mais de 300% em relação ao mesmo período do ano passado.

    Todos os anos, entre dezembro e janeiro, a Hemoba registra uma queda no número de doações de sangue, devido às festas de fim de ano e temporada de férias, mas desde a nova onda de contaminação pelo coronavírus, a situação está ainda mais delicada. Até o momento já são 102 voluntários impedidos de doar por apresentar algum sintoma gripal, contra 25 no mesmo período do ano passado. Segundo Fernando Araújo, Diretor Geral da Fundação Hemoba, esse número pode ser ainda maior, visto que aponta apenas os doadores que compareceram nas unidades e passaram pela triagem.

    “Nossos doadores fidelizados que apresentam sintomas já sabem que estão inaptos, por este motivo não comparecem à unidade para tentar fazer a doação. Essa baixa nos impede de atender as demandas transfusionais dos hospitais da rede própria, seja para pacientes em tratamento ou para realizar cirurgias eletivas e de emergência”.

    Araújo afirma ainda que “a nossa necessidade é constante e mais uma vez precisamos da ajuda da população para passarmos por esse período sem deixar pacientes desassistidos por ausência de sangue. Por isso, eu faço um apelo a você que está bem de saúde, sem sintomas gripais, e pode realizar a sua doação, para que compareça a uma das nossas unidades, e doe sangue, não dói, não causa prejuízo à saúde de quem doa e salva vidas.”

    Inaptidão por gripe e covid19
    Pessoas que estão gripadas ou que testaram positivo para Covid-19 devem aguardar o período de 15 dias após o total desaparecimento dos sintomas para realizar a doação de sangue. Já quem tomou a vacina da gripe ou o imunizante Coronavac, deve aguardar 48h para realizar a doação. As demais vacinas contra a Covid-19, como Astrazeneca, Pfizer e Jassen, impedem a doação de sangue por 07 dias.

    Critérios para doação de sangue - Para doar sangue, o voluntário deve estar de máscara, em boas condições de saúde, sem sintomas virais, pesar mais de 50 quilos, estar bem alimentado, ter dormido pelo menos 6h, não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12h, não fumar por pelo menos, duas horas, e ter entre 16 e 69 anos incompletos. Menores de 18 anos precisam estar acompanhados de um responsável legal, e apresentar documento original com foto, emitido por órgão oficial e válido em todo o território nacional, além de cartão de vacinação.

    Onde doar:
    A Fundação Hemoba conta com 29 unidades de coleta em todo estado nas cidades de Salvador, Camaçari, Feira de Santana, Alagoinhas, Santo Antônio de Jesus, Vitória da Conquista, Eunápolis, Barreiras, Brumado, Jequié, Guanambi, Irecê, Jacobina, Itaberaba, Itapetinga, Juazeiro, Paulo Afonso, Teixeira de Freitas, Ribeira do Pombal, Seabra, Senhor do Bonfim, Valença. Para conferir dias e horários de atendimento acesse o site da Hemoba: www.hemoba.ba.gov.br

  • Mais da metade dos testes de covid examinados pelo Lacen na Bahia dão positivo

    A taxa de positividade dos testes PT-PCR para covid-19 analisados pelo Lacen-BA chegaram a 51,29%. Isso significa que, a cada 100 testes feitos no estado, 51 dão positivo, de acordo com dados divulgados pela secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).

    Para efeito de comparação, a taxa de positividade há duas semanas, no dia 4 de janeiro, era de 5,49%. Com isso, o aumento da taxa foi de 683% nos últimos 19 dias.

    A grande culpada dessa explosão de casos é a variante Ômicron, que já representa 74% dos casos ativos na Bahia. Ela é considerada pelos especialistas muito mais transmissível que as outras cepas, incluindo a Delta.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.