Sexta, 21 Janeiro 2022 | Login
Falta de patrocínio ameaça realização do Réveillon em Salvador

Falta de patrocínio ameaça realização do Réveillon em Salvador

Um outro fator, além da pandemia, se tornou um obstáculo para a realização da festa de Réveillon em Salvador: os patrocinadores. A demora em decidir se a festa vai ser realizada ou não dificulta o processo de fechar o contrato com patrocinadores.

Segundo o prefeito Bruno Reis, 45 dias é um prazo curto para conseguir fechar um patrocínio. "A gente sempre teve uma política onde o privado assumia toda a despesa. É difícil a uma altura dessa buscar um patrocinador para um evento daqui a 45 dias até porque tem todo um trabalho de marketing que é importante e que justifica o patrocínio. Esse é um problema para o réveillon também, sendo que temos as condições sanitárias como o mais importante a ser considerado para a realização do evento", explicou o prefeito.

Bruno ressaltou que sem patrocínio, a festa não será realizada. "Se não tiver um patrocinador para pagar a festa, não tem como ser feito. Quanto mais demora, mais difícil é de achar um patrocinador", afirmou.

O prefeito também falou da realização de outras festas grandes em Salvador, como a Lavagem do Bonfim e o Carnaval. Segundo ele, conforme os eventos forem ocorrendo, será possível avaliar como a pandemia está se comportando e analisar a realização da Lavagem do Bonfim.

Bruno citou que os números da pandemia em Salvador continua em queda. "Os números em Salvador estão caindo pelo avanço que nós temos na vacinação. Temos 80% [da população] com a segunda dose, mais de 200 mil com a terceira dose. Os números de ocupação de leitos baixíssimos. Ainda há leitos abertos, leitos com a proporção bem menor. Hoje tem 20 leitos de UTI, e aí os 35% de ocupação representam 7 pessoas internadas", disse.

Carnaval
Sobre o Carnaval, o prefeito voltou a afirmar que a decisão será tomada em conjunto, a partir de uma conversa com o governador Rui Costa. Ele alertou que a festa é de extrema importância para a economia da cidade e que caso não ocorra em Salvador, pode haver uma exportação de artistas para outras cidades.

"Se não tiver carnaval aqui, outros lugares vão fazer, os artistas vão sair daqui para se apresentar para lá. e quem tiver condições de viajar, também vai. se pegar covid lá, vai trazer de volta pra cá", disse.

Ainda de acordo com Bruno, a prefeitura está com planejamento pronto para fazer a festa.

Itens relacionados (por tag)

  • Rui Costa anuncia redução de público em eventos para 1.500 pessoas

    O limite de público em eventos e festas na Bahia será reduzido mais uma vez. Agora, serão permitido 1.500 pessoas por evento, anunciou o governador Rui Costa nesta quinta-feira (20).

    Segundo ele, um novo decreto será publicado no Diário Oficial com a nova medida. Ainda de acordo com Rui, a regra de 50% de limite de público em cada espaço permanece.

    "Em função do crescimento do número de casos, nós estamos assinando o decreto que determina a redução de limite de público em eventos de 3 mil para 1.500 pessoas", explicou.

    Rui também falou que há subnotificação de casos ativos da covid-19. "Infelizmente, os números continuam subindo no Brasil, continuam subindo na Bahia. Ontem à tarde chegamos a 13.262 casos ativos, e a 363 pessoas internadas em UTIs. As cidades estão testando menos o que nos leva a crer que esse número de 13 mil ainda está subnotificado, e devemos ter um número muito acima de contaminados. Por isso, estamos tomando a decisão de reduzir os eventos para 1500 pessoas", explicou.

    "Estamos chegando ao maior número de contaminados ativos da pandemia. O maior número de contaminados que tivemos foi em março do ano passado, em 22 mil. Com esse ritmo de crescimento, no máximo em uma semana, nós ultrapassaremos esse número. Não é possível não fazer nada e assistir isso passivo. Nós estamos arriscando vidas humanas, que podem ser perdidas", afirmou o governador.

  • Rodoviários fazem paralisação e ônibus deixam de circular em Salvador

    Rodoviários de duas empresas de ônibus fizeram uma paralisação na manhã desta quinta-feira (20). Por causa disso, cerca de 600 coletivos pararam de na cidade nesta manhã.

    Os trabalhadores das empresas Plataforma e OT Trans fizeram assembleia na porta das garagens. A previsão era de que os ônibus voltem a circular a partir das 8h, mas o protesto só foi encerrado por volta das 9h. A paralisação atingiu as regiões do miolo da cidade, como Mussurunga, Pirajá e Cajazeiras.

    A categoria pede melhorias no sistema de transporte público, além do cumprimento do acordo com a empresa CSN, firmado no ano passado. O acordo previa o pagamento de indenização aos trabalhadores após o encerramento da empresa.

  • Preço do pão francês sobe e supera a inflação em Salvador

    Tomar um café da manhã simples, com pão quentinho e café preto com açúcar, está cada vez mais caro. O pão francês, cacetinho ou pão de sal, como é chamado entre os baianos, está mais salgado em Salvador, e a culpa não é do padeiro. Uma pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revelou que o alimento, quase uma unanimidade no café da manhã, acumulou alta de 13,06%, em 2021, na capital baiana. O resultado foi acima da inflação, que foi de 10,06%, e o produto foi o quarto item mais caro da cesta básica. Também houve registro de aumento de outros itens, como o café em pó, que subiu 70,19%, e o açúcar cristal, com aumento de 48,31%.

    Seja em Paripe, São Marcos ou Cabula, seja em Ondina, Mussurunga ou Lobato, o preço do pão muda de acordo com a área, tipo de estabelecimento e formas de venda, mas existe uma coisa em comum entre os moradores dessas regiões: o pão ficou mais caro. Em Fazenda Coutos, no Subúrbio Ferroviário, a promotora de vendas Daiane Silva, 36 anos, contou que o valor alterna entre R$ 0,35 e R$ 0,60, a unidade.


    “Depende da padaria. Tem uma aqui perto que cobra R$ 0,60 na unidade, mas tem outra mais distante que está cobrando R$ 0,35. Tem que pesquisar e fazer algumas trocas. Antes, a gente comia basicamente pão no café da manhã. Agora, estou trocando por cuscuz, que também ficou mais caro, mas ainda compensa, e batata-doce ou aipim, que a gente encontra de R$ 1 o quilo”, contou. Confira abaixo dicas de uma nutricionista sobre os substitutos do pão.

    No bairro de Paripe, era possível comprar 1 kg de pão por R$ 7,60 até o ano passado. O preço foi sendo reajustado e, atualmente, está por R$ 8,70. Ainda assim, mais barato que no Lobato, onde o quilo custa R$ 9. Em Ondina, o aumento foi de R$ 0,20 na unidade, em alguns lugares. Já no Cabula, onde era possível comprar quatro pães por R$ 1, agora, cada um sai por R$ 0,40.

    Insumos
    O presidente do Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de Salvador (Sindipan), Florêncio Rodrigues, contou que a alta está sendo influenciada pelo reajuste no preço dos insumos, muitos deles comercializados em dólar, e pelo aumento no valor da energia.

    “É aumento em cima de aumento. Para que se tenha uma ideia, em 2020, a farinha de trigo estava custando R$ 118. No ano passado, foi para R$ 160 e, hoje, está de R$ 181,50. O balde da margarina que custava R$ 86, em 2020, passou a custar R$ 116, em 2021, e agora estamos comprando por R$ 185,60. É um absurdo”, contou.

    Atualmente, existem cerca de 1,5 mil padarias em Salvador e região metropolitana, e cada uma delas produz, em média, 4 mil pães por dia. Florêncio lembrou que apesar de algumas padarias venderem o pão por unidade, por lei esse alimento deve ser comercializado por quilo. Ele é proprietário de uma padaria, em Cosme de Farias, e contou que a categoria tem feito o possível para segurar os preços.

    “O cenário atual é de incerteza. A gente não consegue repassar para o consumidor os reajustes na mesma velocidade em que eles acontecem, principalmente em bairros populares. São 14 milhões de desempregados no país. Se a gente repassar todos os aumentos vamos ficar com o produto parado e precisamos vender”, disse.

    Ele contou que o preço do pão alterna de acordo com a região da cidade, mas, em média, o quilo tem custado em torno de R$ 10. Jonas Lima, 45 anos, é gerente de uma padaria em Cajazeiras e contou que tem feito milagre para multiplicar os pães sem aumentar demais os preços.

    “Fizemos um reajuste de R$ 0,05 no último semestre. Pode parecer pouco, mas para famílias que vivem com um salário mínimo, ou até menos que isso, faz muita diferença. A gente sabe que não pode aumentar os preços na mesma proporção em que recebemos o aumento, porque os clientes não têm condições de pagar, mas também não podemos segurar os aumentos sozinhos”, disse.

    Além do reajuste de 13,06% do pão, outros itens do café da manhã tiveram alta, em 2021, em Salvador, a começar pelo produto que dá nome à refeição. Segundo a pesquisa do Dieese, o café em pó foi o item mais amargo da cesta básica. Ele ficou 79,19% mais caro. O segundo, foi o açúcar para colocar no café. O cristal subiu 48,31% de preço. O terceiro vilão foi a manteiga para passar no pão que está 15,20% mais salgada.

    Todos os reajustes foram acima da inflação para o mesmo período. No caso do pão, a alta foi registrada em 16 capitais.

    Como substituir o pão no café da manhã?

    Com o aumento no preço do pão, a dúvida agora é como fazer para substituir um alimento que já está tão enraizado nos nossos costumes. A nutricionista funcional Carolina Dias afirma, no entanto, que muitos outros produtos podem, facilmente, compensar a falta do pão de uma forma muito mais saudável.

    A especialista destaca que existem vários alimentos que possuem uma carga glicêmica menor que o pão e, além de reduzir o preço das compras do mês, o baiano também poderia ser mais saudável. Como exemplo, Carolina cita a tapioca, que não possui glúten, crepioca (mistura de tapioca com ovo) e os carboidratos complexos, como inhame, batata-doce, aipim e banana da terra. “São carboidratos saudáveis, que combinam com queijo branco, com ovo, e entram no café da manhã de uma forma muito mais saudável que o pão”, declara a nutricionista.

    Apesar de serem alimentos saudáveis, Carolina ressalta que todos esses alimentos devem ser consumidos sempre com moderação, porque ainda são carboidratos e podem aumentar o nível de insulina. “Podemos colocar sem medo umas 80 gramas de qualquer um desses alimentos que citei no café da manhã, vai ser muito mais saudável e não vai engordar ninguém”, diz. Segundo a especialista, esse pico de insulina pode causar resistência ao hormônio a longo prazo, causando uma predisposição a diabetes. Além disso, a insulina também estoca o carboidrato como gordura, o que faz a pessoa engordar cada vez mais.

    Para os que gostam de cuscuz, Carolina ressalta que o alimento também pode substituir o pão, mas que ele possui uma carga glicêmica mais alta que os outros itens citados. “A carga glicêmica é a velocidade que o açúcar cai na corrente sanguínea. Quanto maior a carga glicêmica, mais rápido o açúcar cai, então a probabilidade de você estocar gordura é muito maior, liberando insulina”, explica.

    Para acompanhar os alimentos citados acima, o suco detox e os chás são uma ótima opção. “Dá pra substituir o café por chás termogênicos, como canela, hibisco e chá verde. Caso a pessoa não possa fazer uso de termogênicos, podemos utilizar camomila, hortelã e cidreira, que ajudam na digestão e na diminuição de problemas gastrointestinais”, sugere.

    O suco detox, cuja base é uma fruta, batida com água e alguma verdura, deve ser tomado sem coar para não retirar a fibra, que é o que diminui o índice glicêmico da batida. Mas, caso a pessoa não goste, também é possível tomar sucos de frutas com menos açúcar, como limão, acerola e abacaxi. “Não recomendo o suco de laranja, por exemplo, porque para fazer precisa colocar muitas frutas, o que aumenta o nível de frutose [açúcar da fruta]”, salienta Carolina.

    Antes da primeira refeição do dia, a nutricionista especifica que é importante acordar e tomar um xote antioxidante, que são usados para neutralizar as toxinas do corpo, como limão, cúrcuma, glutamina e própolis. “Estou vendo muitos pacientes se conscientizando que é importante ter imunidade, estar com o físico em dia, com o organismo fortalecido para combater esses vírus que inevitavelmente a gente pega. Nós somos o que comemos, nossos hábitos nos definem”, conclui.

    Confira os dez itens com maior reajuste em Salvador:

    Café em pó: 70,19%
    Açúcar cristal: 48,31%
    Manteiga: 15,20%
    Pão francês: 13,06%
    Carne bovina de primeira: 9,99%
    Farinha de mandioca: 7,66%
    Feijão carioquinha: 7,56%
    Óleo de soja: 7,38%
    Leite integral longa vida: 5,61%
    Tomate: 1,26%

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.