Sexta, 19 Agosto 2022 | Login
Prefeitura de Salvador vai exigir 2ª dose para acesso ao Réveillon e ao Carnaval

Prefeitura de Salvador vai exigir 2ª dose para acesso ao Réveillon e ao Carnaval

Quem está com saudade de festas, deve manter a vacinação contra a covid-19 em dia. Isso porque o prefeito Bruno Reis afirmou que, caso o Réveillon e o Carnaval aconteçam nos próximos meses, será exigido o certificado de vacinação.

Ou seja, para ter acesso às festas, será necessário ter concluído o ciclo de imunização com as duas doses ou a dose única. A confirmação das festas deve acontecer neste mês de outubro, a depender do avanço da vacinação e do impacto da variante delta na capital.

"Eu espero ainda no mês de outubro, dar início a essa discussão do Réveillon e do Carnaval. E vamos exigir, pelo menos, para ter acesso, as duas doses da vacina. Então a festa dp Réveillon será em um espaço fechado e para as pessoas terem acesso, terão que ter as duas doses. E no carnaval, a gente coloca as barreiras para fazer as revistas para garantir as restrições das marcas, e, se for possível ser feito carnaval, iremos exigir também a comprovação da vacinação. Esses eventos terão que ter esses protocolos", explicou o prefeito nesta segunda-feira (4).

Bruno ressaltou que discorda da posição do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, de não vai exigir nenhum protocolo nos eventos. "Primeiro, o Rio de Janeiro nunca foi parâmetro para as nossas decisões. O Rio durante a pandemia sempre teve uma permissividade muito maior do que a média geral dos outros estados e outras capitais, mas lá o Rio recentemente foi a cidade mais impactada com a variante delta. Eles restabeleceram leitos, tiveram aumento de casos e se o prefeito dá uma mensagem nesse sentido, a própria vairante delta não trouxe as consequências que os cientistas aguardam trazer. Mas eu discordo dele nesse aspecto [de não ter protocolos].

Itens relacionados (por tag)

  • Salvador tem Dia D da imunização contra pólio e multivacinação no sábado (20)

    O Dia D das campanhas de imunização contra poliomielite e da multivacinação, para atualização do esquema vacinal de crianças e adolescentes, será neste sábado (20), das 8h às 17h, em Salvador. Serão 125 pontos de vacinação em todas as regiões da cidade. A lista pode ser consultada no site da Secretaria Municipal da Saúde.

    A estimativa é que mais de 152 mil crianças menores de 5 anos componham a estratégia contra pólio e a meta para a campanha contra a poliomielite é vacinar pelo menos 95% das crianças menores de 5 anos que residem no município. Até o momento, pouco mais de 2,5 mil crianças menores de cinco anos compareceram aos postos para imunização.

    De acordo com a coordenadora de Imunização da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Doiane Lemos, essa é mais uma oportunidade de pais e responsáveis regularizarem a situação vacinal das crianças e adolescentes que residem na capital. “Temos praticamente duas semanas que iniciamos as estratégias na cidade e a busca pelos imunizantes ainda é bastante tímida. Nossa expectativa é que, no Dia D, os pontos de vacinação apresentem uma procura significativa. O intuito é evitar a transmissão de doenças que são imunopreveníveis em nossa cidade”, enfatizou.

    No caso da multivacinação, são esperados 497 mil jovens com idade inferior a 15 anos para a atualização do calendário de imunização. No entanto, até o momento, apenas 6 mil jovens entre zero e menores de 15 anos de idade buscaram os postos de saúde.

    Proteção
    Há duas vacinas contra a pólio disponíveis no calendário de vacinação. A VIP (vacina inativada pólio), administrada por via intramuscular, é preferencialmente destinada a crianças no primeiro ano de vida. Já a VPO (vacina pólio oral), também conhecida por ser a vacina da gotinha, é utilizada como reforço nas campanhas anuais de vacinação.

    Na multivacinação estão disponíveis todas as vacinas do calendário básico voltado a crianças e adolescentes menores de 15 anos. Dentre os imunizantes estão a tríplice viral, tetraviral, DTP, HPV quadrivalente, meningocócica conjugada (ACWY), Pneumocócica 10 e BCG.

  • Marinha alerta para ondas de até 2,5 metros em Salvador

    A intensificação dos ventos podem causar ondas de até 2,5 metros na orla de Salvador. O alerta foi emitido pela Marinha e é válido até essa sexta-feira (19).

    Segundo a Marinha, as ondas maiores podem ocorrer em toda faixa litorânea que vai até o Rio Grande do Norte.

    Os navegantes devem ficar atentos aos avisos e condições meteorológicas antes de irem ao mar, alerta a Marinha.

    A previsão do tempo para Salvador nesta quinta-feira (18) é de poucas nuvens, com possibilidade de chuva isolada.

  • Balanço aponta 131 tiroteios e 108 pessoas baleadas em julho em Salvador e RMS

    Pelo menos 131 tiroteios ocorreram em Salvador e Região metropolitana no mês de julho. Ao todo, 108 pessoas foram baleadas, sendo 84 mortas e 24 feridas, segundo o primeiro balanço da violência armada lançado nesta segunda-feira (8) pelo Instituto Fogo Cruzado. Os números se referem ao mês de julho, quando o Instituto passou a mapear a Bahia, onde atua em parceria com a Iniciativa Negra por uma Nova Política de Drogas. Os dados também estão disponíveis na API do instituto, onde podem ser consultados de forma aberta e gratuita.

    "Isso significa que, em média, três pessoas foram baleadas por dia, em alguma das 13 cidades da região metropolitana. Dentre estes números estão vidas e famílias como a dos gêmeos rifeiros, mortos após saírem de uma festa no subúrbio de Salvador. Ainda não se sabe os motivos ou autores do crime, o que deixa a família ainda mais abalada", comenta Cecília Olliveira, diretora executiva do Instituto Fogo Cruzado. Ela destaca ainda que Salvador despontou nesse primeiro mês no topo do ranking da violência armada na Bahia. "A cada 10 tiroteios na região metropolitana, oito aconteceram na cidade. A capital teve 105 tiroteios, 67 mortos e 20 feridos. São números bem graves, que indicam o tamanho do problema".

    O balanço mostra ainda que, dos 131 tiroteios mapeados em julho, 37 ocorreram durante ações ou operações policiais, deixando 25 pessoas mortas e seis feridas. Chama atenção uma ação policial que deixou ferida a tiros uma adolescente de 15 anos no dia 20 de julho, em Lauro de Freitas, no bairro de Itinga. Railane França conversava com amigos, quando a polícia chegou ao local atirando e ela acabou atingida ao tentar proteger a sobrinha de três anos. O adolescente Janderson dos Santos, 14 anos, também ficou ferido.

    Outro caso impactantes de julho foi o duplo assassinato dos irmãos gêmeos no bairro do Lobato, em Salvador, Ruan e Rubens, de 23 anos, ambos rifeiros, que foram a uma festa perto de casa durante a madrugada do dia 25, e ao chegar, foram assassinados. Os corpos foram encontrados em outro local com marcas de tiros.Três dias antes, outro caso grave ocorreu.

    Para Dudu Ribeiro, cofundador da Iniciativa Negra por Uma Nova Política de Drogas e coordenador da Rede de Observatórios da Segurança na Bahia, "uma das grandes questões quando o assunto é segurança pública é a qualidade e a transparência na produção de dados. Historicamente temos visto uma resposta da segurança pública baseada em incentivos ao punitivismo e em bravatas, e ainda muito afastada da produção de dados. Essa parceria com Fogo Cruzado vem para buscar cada vez mais qualidade nesses dados, para que possam embasar as demandas das organizações da sociedade civil e também do poder público.” Ribeiro ainda denuncia que a negligência desses dados faz parte de um projeto político que afeta duramente as populações vulneráveis. “Deixar os dados da segurança pública numa neblina que a sociedade civil não acessa é uma decisão política que justifica uma política de morte”, finaliza.

    Esse é o primeiro relatório do Instituto Fogo Cruzado na Bahia. O aplicativo do Instituto funciona de forma colaborativa e anônima com registro de dados e informações sobre tiroteios e violência por arma de fogo. Por meio das informações coletadas e de um mapeamento ativo, o Instituto realiza o levantamento e faz a contabilização, especificando as localidades e os recortes dos dados (chacinas, balas perdidas, tiroteios e outros indicadores). O mapeamento pode ser acompanhado diariamente através do aplicativo disponível para Android e iOS ou no Twitter.

    O mapa da violência armada

    Entre a capital e a região metropolitana, os cinco mais afetados pela violência armada foram:
    Salvador: 105 tiroteios, 67 mortos e 20 feridos
    Camaçari: 12 tiroteios, 7 mortos e 1 feridos
    Vera Cruz: 3 tiroteios, 3 mortos
    Lauro de Freitas: 3 tiroteios e 3 feridos
    Candeias: 2 tiroteios, 2 mortos

    O perfil da violência armada
    Ao todo, três agentes de segurança foram baleados em Salvador e região metropolitana: um morreu e dois ficaram feridos.

    Houve sete casos de ataques armados sob rodas, quando pessoas passam em carros atirando. Ao todo, nove pessoas foram baleadas nestes casos: seis morreram e três ficaram feridas.

    Três pessoas foram atingidas por balas perdidas em julho. Nenhuma delas morreu. Todas as vítimas foram atingidas durante ações ou operações policiais.

    Uma pessoa morreu em uma ocorrência registrada no transporte público. E três pessoas morreram em ocorrências registradas em bar.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.