Segunda, 20 Setembro 2021 | Login
David Schwimmer, de Friends, nega rumores de romance com Jennifer Aniston

David Schwimmer, de Friends, nega rumores de romance com Jennifer Aniston

Os fãs da Friends ficaram eufóricos nos últimos dias com a possibilidade de David Schwimmer e Jennifer Aniston estarem repetindo na vida real o romance entre Rachel e Ross. No entanto, o ator fez questão de negar os boatos de que estaria passando um período na casa da atriz.

De acordo com site HuffPost UK, um representante oficial de David afirmou à matéria que os boatos sobre um possível romance entre os dois "não são verdade". Quase ao mesmo tempo, Jennifer chegou a publicar uma homenagem nas redes ao ex-marido, Justin Theroux, por seu aniversário.

Os rumores do namoro começaram após uma matéria da revista Closer, citando uma fonte próxima aos atores, dizer que Schwimmer estaria passando um período na casa de Jennifer em Los Angeles. A fonte também garantiu que eles teriam se aproximado e estavam tentando investir no affair após as gravações do especial Friends: The Reunion.

Diversas vezes David e Jennifer garantiram que o "romance" entre os dois sempre foi platônico, explicando que nunca houve nada por conta de desencontros, já que quando um estava solteiro, o outro estava namorando.

Recentemente, Aniston comentou que teria muito orgulho em assumir caso tivesse um caso com o ator durante as gravações da série de enorme sucesso "Friends", mas explicou que nada aconteceu entre eles além da amizade que segue até hoje.

Itens relacionados (por tag)

  • Morre aos 82 anos Sergio Mamberti, o eterno doutor Victor do Castelo Rá-Tim-Bum

    O ator Sergio Mamberti morreu aos 82 anos nesta sexta-feira (3) de falência múltipla de órgãos. Com mais de 60 anos de carreira e papéis de destaque no teatro, TV e cinema, ele é sempre lembrado por viver o doutor Victor do Castelo Rá-Tim Bum, na década de 1990.

    Desde 25 de agosto, Mamberti estava internado para tratar uma infecção nos pulmões. Ele também tinha uma deficiência cardíaca, o que tornava seu quadro mais delicado.

    O artista sofreu uma piora na última semana, foi intubado e levado para a UTI de um hospital da rede Prevent Senior, em São Paulo. A morte foi confirmada hoje pelo filho do ator, ao Bom Dia São Paulo.

    Antes, ele chegou a passar 19 dias internado com penumonia. Segundo o filho, a mudança de clima em São Paulo acabou prejudicando a saúde do pai.

    Mamberti deixa quatro filhos. Duda, Carlos e Fabrício Mamberti são fruto do casamento com Vivien Mehr, que durou até 1980, quando ela morreu, aos 37 anos. Ele teve uma quarta filha, Daniele, adotada com Ednaldo Torquato, com quem teve um relacionamento por 37 anos. Ednaldo morreu em 2019.

    Carreira começou no teatro
    Sergio Duarte Mamberti nasceu em Santos (SP) em 1939, onde passou sua infância. Lá mesmo começou a fazer parte de grupos de teatro, ainda na adolescência. O que começou como uma diversão acabou virando profissão.

    Ele se formou em Artes Cênicas na Universidade de São Paulo e estreou com uma peça profission al em 1963, com Antígone América. Em 1975, ganhou o Prêmio Molière de melhor ator pela peça Réveillon. Sua última atuação no teatro foi em 2019, com o ovo de ouro.

    Na TV, estreou em 1968 com Tenório em Ana, exibida na Record, onde atuou em outros folhetins até 1971. Depois, na Manchete participou de Dona Beija (1986), Helena (1987), A História de Ana Raio e Zé Trovão (1990) e Pantanal (1990).

    Nos anos 1980 foi para a Globo. O primeiro papel foi de Galeno Sampaio em Brilhante (1981). O maior destaque foi como o mordomo Eugênio de Vale Tudo, em 1988, que foi um dos suspeitos de matar Odete Roitman (Beatriz Segall).

    Mas um dos papéis que mais o marcaram foi o de doutor Victor, no Castelo Rá-Tim-Bum, de 1994 a 1997. Recentemente, ele chegou a afirmar que essa havia sido sua "obra-prima", por unir "educação, cultura e comunicação".

    No cinema, também participou de clássicos. Atuou em Toda Nudez Será Castigada (1973), Parada 88 - O Limite de Alerta (1978), O Homem do Pau-brasil (1982), A Dama do Cine Shanghai (1987), Perfume de Gardênia (1992), Brava Gente Brasileira (2000), Xuxa Abracadabra (2003), O Homem Que Desafiou o Diabo (2007), Aconteceu no Bixiga (2012), O Inventor de Sonhos (2013) e O Pastor e o Guerrilheiro (2021).

     

  • Após terminar com Grazi Massafera, Caio Castro diz que 'o mundo dá voltas'

    Após confirmar o término de seu namoro com Grazi Massafera, o ator Caio Castro postou uma frase enigmática em seu Instagram neste domingo (29). "O mundo dá voltas. Deus não tarda e nem falha. Ele age na hora certa", declarou Caio, sem dar maiores explicações.

    Antes, o ator garantiu que não houve traição e pediu respeito pelo momento que ele e a ex estão passando.

    "Nunca fomos de falar da nossa relação, nunca expusemos muita coisa sobre nós, e não será agora que irei alimentar esse tipo de reportagem. Mas inventar uma traição, passa falta de respeito. Decidimos nos separar por motivos nossos, fomos maduros e respeitamos antes de mais nada, nosso amor", disse ele, acrescentando: "Se eu puder pedir alguma coisa, gostaria de pedir respeito pelo momento que estamos passando, eu e Grazi".

    Grazi também revelou o término de seu relacionamento de dois anos com Caio em entrevista para a revista ELA. A atriz ainda mencionou os bons momentos que os dois tiveram durante o período. "Meu relacionamento com o Caio chegou ao fim porque entendemos que era hora de seguirmos separados. O que posso dizer agora é que encerramos a nossa história", disse.

  • Consumo virtual de atividades culturais cresce na pandemia

    Os brasileiros aumentaram o consumo de atividades culturais no ambiente on-line durante a pandemia e pretendem manter o hábito mesmo depois da volta à normalidade presencial, aponta a pesquisa Hábitos Culturais II, realizada em conjunto pelo Itaú Cultural e pelo Datafolha. Divulgado na manhã desta quinta-feira (22), o levantamento mostra que apresentações de música, teatro e dança e podcasts experimentam crescimento de público on-line, enquanto que o acesso a webinares e as visitas a museus e exposições perdem terreno em 2021.

    De acordo com a pesquisa, que ouviu 2.276 indivíduos em todo o país, entre os dias 10 de maio e 9 de junho, o aumento de consumo de cultura no ambiente virtual ocorreu no momento em que os brasileiros passaram a ficar mais conectados à internet. O levantamento aponta que 76% dos entrevistados passaram a se conectar todos os dias, em contraponto ao ano de 2020, quando índice era de 71%. Interessante dizer que cada ponto percentual representa cerca de 1,5 milhão de pessoas.

    O consumo de apresentações artísticas de teatro, dança e música dobrou de 2020 para cá. No ano passado, 20% dos indivíduos disseram que consumiam este tipo de atividade no ambiente on-line, já em 2021 esse índice subiu para 40%. Ou seja, significa que houve um aumento de 30 milhões para 60 milhões de pessoas que vivenciaram esta experiência.

    "É um dado bem expressivo. É um número bastante relevante e que responde ao que o mundo cultural e artístico fizeram com ainda mais intensidade, de setembro até o comecinho de junho. O quanto essa intensidade de produção reverberou no público", enaltece Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural.

    De acordo com os dados, 80% dos que assistiram a apresentações de teatro, música e dança nesse ambiente pretendem seguir com a prática mesmo após a volta à normalidade. O índice é o mesmo declarado para aulas ou oficinas de arte. Já entre os espectadores de apresentações infantis, o índice é de 81%, semelhante aos 82% declarados pelos habitués de seminários nas redes.


    Saron destaca que a pesquisa é importante porque joga luz sobre os desafios que estão por vir. "Claro que queremos o contato físico que virá com a imunidade coletiva, a partir da vacina. Nós queremos voltar, precisamos do contato físico. Mas o desejo é continuar acompanhando as atividades virtuais. Quase 80% das pessoas disseram querem permanecer realizando atividades culturais por meio remoto. Então o digital veio pra ficar. O mundo da cultura precisa estar pronto para receber as pessoas", defende.

    Mais podcasts, músicas e jogos eletrônicos
    Outra atividade que teve forte crescimento durante a pandemia foi a audição de podcasts. Em 2020, 24% dos entrevistados informaram que acessavam plataformas do gênero. Este ano, o índice subiu para 39%, um salto de 15 pontos percentuais.

    O consumo de jogos eletrônicos também apresentou aumento, com salto de 32% para 43% no percentual de entrevistados que realizaram a atividade, no comparativo entre 2020 e 2021. O consumo de música on-line foi outro que ganhou novos adeptos (de 74% para 79%), bem como o consumo de filmes e séries, que saiu de 68% para 75% dos entrevistados.


    Os cursos livres (de 35% para 41%) e a leitura de livros digitais (de 36% para 40%) também ganharam espaço no consumo on-line. Os espetáculos infantis, por outro lado, se mantiveram estáveis (23%). “Instituições, corpos estáveis, grupos artísticos e uma legião de profissionais da área criaram um ambiente mais leve para estes tempos tão duros”, completa Saron.

    Quedas
    A pesquisa Itaú Cultural/DataFolha aponta, entretanto, que nem todas as atividades ganharam força on-line durante a pandemia. Os webinares, que estouraram logo no início do distanciamento social, perderam terreno. Em 2020, 30% dos entrevistados praticavam a atividade. Em 2021, o índice caiu para 23%.
    As visitas on-line a exposições e museus também recuaram. No levantamento realizado em 2020, 16% diziam realizar este tipo de atividade. No levantamento atual o índice encolheu para 11%.

    É menor o índice de continuidade da prática no caso das exposições e museus (67%). Registraram patamares equivalentes, estatisticamente, visitas virtuais a centros culturais (78%), oficinas de criação para crianças (75%) e visitas guiadas a projetos artísticos (76%).


    Esta edição procurou investigar, ainda, outras atividades não mensuradas na versão anterior da pesquisa. De acordo com o levantamento, o índice de consumo virtual de seminários ficou em 24%, seguido por aulas ou oficinas de arte (21%), visitas a centros culturais (15%), oficinas de criação para crianças (15%) e projetos artísticos (12%).

    Democratizaçnao do acesso
    Outro dado levantado pela pesquisa mostra que as atividades on-line ampliaram o acesso e aumentaram o interesse do público para a cultura. De acordo com o levantamento, 72% informaram que as atividades on-line permitiram acesso a atividades culturais que, de outra forma, não seriam experimentadas. Na pesquisa anterior, realizada em 2020, o índice tinha sido de 67%.

    O conteúdo on-line ampliou o acesso especialmente entre os jovens de 16 a 24 anos onde a concordância com a afirmativa foi de 79%. Os que se dizem menos impactados foram os indivíduos entre 45 e 65 anos, que apontaram taxa de concordância de 69%.

    O interesse por atividades culturais também aumentou graças à oferta de conteúdos on-line. Os mais impactados foram os indivíduos entre 16 e 24 onde a concordância com a afirmativa foi de 64%. O estrato da Classe C registrou 59% de concordância com o benefício.

     

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.